i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Corrida presidencial

Lula testa popularidade de Dilma em chão de fábrica em SP

Presidente participa de comício em frente de uma fábrica no ABC paulista, palco do início da sua militância sindical nos anos 70, para angariar votos para a candidata petista

  • PorAgência Estado
  • 22/08/2010 21:02
Lula e Dilma em comício em Mauá: presidente vai intensificar a aparição da candidata em eventos em São Paulo | Thiago Henrique/Futura Press
Lula e Dilma em comício em Mauá: presidente vai intensificar a aparição da candidata em eventos em São Paulo| Foto: Thiago Henrique/Futura Press

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva volta hoje a São Bernardo do Campo, na região do ABC paulista, para resgatar sua história. Como nos anos 1970, quando era presidente do Sindicato dos Metalúr­gicos do ABC, Lula deve empunhar cedo o microfone no pátio da montadora Mercedes-Benz, localizada no berço político do PT. O retorno ao chão de fábrica faz parte dos esforços do presidente em eleger em primeiro turno sua candidata à sucessão ao Palácio do Planalto. O ato, programado para as 5h30 da manhã, irá testar a popularidade de Dilma Rousseff no reduto político do presidente, bem como o seu desempenho em palanque.

Desde sexta-feira, esse é o terceiro evento em São Paulo no qual Lula pede votos para Dilma. Em meio a essa maratona eleitoral, um esforço concentrado para an­­gariar votos para a sua candidata, Lula deve relembrar hoje seus momentos no movimento sindical, conduzindo um comício como nos velhos tempos: na porta da fábrica. "Segunda-feira [hoje] essa mulher [Dilma] vai fazer a primeira experiência dela, às 5 horas da manhã, na porta de uma fábrica lá em São Bernardo do Campo, pra ela saber onde começou a mudança da história deste país", antecipou o presidente na sexta-feira à noi­te, em comício em Osasco – o primeiro da série de atividades no estado.

São Paulo foi escolhido pelo PT como uma das prioridades da campa­nha presidencial de Dilma Rousseff. O maior colégio eleitoral do país, há 16 anos dirigido pelo PSDB, é uma das poucas unidades da federação em que o presidenciável tucano, José Serra, está à frente da petista nas pesquisas de intenções de voto. Durante o comício de Osasco, Lula anunciou que pretende percorrer o estado para garantir a vitória de Dilma e alavancar a campanha de Aloizio Mercadante ao governo estadual.

"Vou fazer o que tiver ao meu alcance para fazer o companheiro Aloizio ser governador em São Paulo", afirmou Lula. Após uma ho­­ra e meia de comício em Osasco, Lula começou o sábado em outro evento, desta vez em Mauá, também na Gran­de São Paulo. O presidente afirmou que, nos próximos dias, a campanha de Dilma definirá sua participação em outros eventos no estado.

A última vez que o presidente visitou a unidade da Mercedes-Benz no ABC paulista foi em 2006, na comemoração dos 50 anos da fábrica, menos de um mês após a sua reeleição ao cargo. No evento, Lula relembrou do tempo em que atuava como líder sindical na re­­gião. "Eu que venho à porta desta fá­­brica desde a década de 1970, eu que já vivi momentos de glória na porta desta fábrica, já vivi momentos de tristeza, já vi filas de trabalhadores sendo contratados, já vi filas de trabalhadores sendo demitidos", relembrou o presidente na ocasião.

Em visita em junho passado à fábrica da Volkswagen, também em São Bernardo do Campo, Lula havia dito que voltaria ao ABC paulista durante a campanha. Na época, o presidente disse aos funcionários da montadora que não estranhassem caso ele subisse em palanques às 6 horas da manhã.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.