i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Campanha

Dilma nega discurso eleitoreiro em Assembleia da ONU

Ao longo do texto, Dilma exaltou as conquistas de seu governo e dos dois mandatos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva à frente do Planalto

  • PorFolhapress
  • 24/09/2014 13:01

As primeiras linhas do discurso da presidente Dilma Rousseff na abertura da 69ª Assembleia-Geral da ONU nesta terça-feira (24) já lembravam as eleições presidenciais que estão por vir no país. E, ao longo do texto, Dilma exaltou as conquistas de seu governo e dos dois mandatos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva à frente do Planalto.

Ela negou, no entanto, o conteúdo eleitoral de sua apresentação. "Eu sugiro que vocês olhem os meus quatro discursos aqui [na Assembleia-Geral]. São muito parecidos no que se refere a eu falar sobre uma questão fundamental: que o Brasil reduziu a desigualdade, aumentou a renda, ampliou o emprego", disse em entrevista a jornalistas no hotel em que está hospedada, em Nova York.

No discurso, Dilma citou dados da FAO (órgão da ONU para a alimentação e a agricultura) que mostram que "o Brasil saiu do mapa da fome", disse. "A grande transformação em que estamos empenhados produziu uma economia moderna e uma sociedade mais igualitária."

"Eu digo isso porque, como chefe de governo, eu tenho um imenso orgulho disso e acho que parte do respeito que o Brasil tem no plano internacional decorre do fato de a gente ter feito isso. Nenhum país, como nenhuma família, respeita aqueles que chefiam o país ou a família que não melhoram a vida dos seus", afirmou na entrevista.

Desde 1947, é uma tradição na instituição que o chefe de Estado do Brasil seja o primeiro a falar na abertura da Assembleia-Geral.

A presidente não quis comentar os números da pesquisa Ibope, divulgada na terça-feira (23), que apontam que ela ampliou para nove pontos percentuais a vantagem sobre a candidata do PSB, Marina Silva, no primeiro turno das eleições.

No segundo turno, as duas aparecem empatadas, com 41% das intenções de voto."Eu não comento pesquisa. Eu não comento pesquisa, eu já disse isso pra vocês. Quando as pesquisas caem, não comento se sobe e não comento se fica no mesmo patamar", disse.

Questionada sobre sua aparente felicidade na entrevista, ela respondeu: "Meu querido, eu sou uma pessoa sempre alegre porque acho que senão não vale a pena viver. Vale? Beijo."

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.