i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Declaração

Dilma pede mais ética nas relações político-eleitorais

Em conversa com presidente da CNBB, presidente também defendeu uma reforma política que seja feita via consulta popular

  • PorAgência Estado
  • 25/08/2014 16:45

A presidente Dilma Rousseff voltou a defender na tarde desta segunda-feira (25) uma reforma política que seja feita via consulta popular. Em declaração à imprensa no Palácio da Alvorada, residência oficial da presidência da República em Brasília, Dilma relatou um encontro que manteve com o presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e arcebispo de Aparecida, Dom Raymundo Damasceno Assis, na qual o tema foi discutido.

A presidente disse que foi comunicada que a CNBB vai promover, no feriado de 7 de Setembro, um grande esforço para recolhimento de assinaturas para a realização de um plebiscito sobre a reforma política. "Do ponto de vista do governo apoiamos essas iniciativas que busquem uma reforma política que torne as instituições do tamanho do Brasil", afirmou.

Dilma disse que apenas uma reforma política feita via consulta popular trará força para que o tema vingue e que a pauta não é específico de nenhum dos três poderes da República. Dilma defendeu mais ética no processo político-eleitoral e afirmou que é preciso que a sociedade se mobilize e apresente suas propostas sobre a reforma política.

Sobre uma das bandeiras do PT no debate, o financiamento público de campanha, Dilma disse que o governo "não quis pautar ninguém" ao encampar o tema no Congresso Nacional - que foi fortemente criticado por partidos aliados e acabou não vingando.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.