Dilma e Aécio farão o sexto confronto direto seguido entre PT e PSDB

A campanha eleitoral que apontava para o fim de 20 anos de polarização entre PT e PSDB na disputa presidencial teve um desfecho completamente inverso

Leia matéria completa

O clima entre os tucanos durante o domingo, 5, em Belo Horizonte era de euforia com a virada de Aécio Neves na disputa presidencial e de lamento com a derrota do candidato do PSDB ao governo do Estado, Pimenta da Veiga.

Veja o resultado da apuração dos votos para presidente em todo Brasil

Veja o resultado da apuração dos votos para presidente no Paraná

O ex-ministro de Fernando Henrique Cardoso foi batido nas urnas pelo petista Fernando Pimentel já no 1.º turno, encerrando uma hegemonia de 12 anos dos tucanos no Estado. O próprio Pimenta da Veiga disse ao votar pela manhã que seu "otimismo não era desmedido".

Aécio, Pimenta e Antonio Anastasia, candidato ao Senado, foram juntos votar em suas respectivas zonas eleitorais. Enquanto Aécio era disputado pelos eleitores em busca de um selfie e Anastasia distribuía abraços, Pimenta era tratado pelas pessoas mais discretamente.

Ausente

Um sinal do que o PSDB local não acreditava no sucesso do escolhido por Aécio para disputar o governo de Minas foi a ausência em Belo Horizonte do presidente estadual do PSDB, Marcus Pestana, onde se concentrou o estado-maior da campanha de Pimenta. Ele passou o dia em Juiz de Fora, sua base eleitoral.

Questionado sobre a perspectiva de ir para a oposição em Minas Gerais depois de 12 anos de PSDB no poder, Pestana respondeu que isso não seria "nada dramático". "Passamos esse período de oposição a Dilma", disse. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]