i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
lava jato

Ex-petista diz que dividia propina do Planejamento com Paulo Bernardo

Alexandre Romano, em delação premiada, envolve ainda o ex-ministro da Previdência Carlos Gabbas no esquema

    • Da Redação
    • 21/10/2015 08:26
    Paulo Bernardo não quis se defender das acusações feitas pelo ex-vereador do PT Alexandre Romano. | Josué Teixeira/Gazeta do Povo
    Paulo Bernardo não quis se defender das acusações feitas pelo ex-vereador do PT Alexandre Romano.| Foto: Josué Teixeira/Gazeta do Povo

    O advogado e ex-vereador petista Alexandre Romano disse em delação premiada dentro da Operação Lava Jato, que investiga corrupção na Petrobras, que dividia propinas ligadas ao Ministério do Planejamento com o ex-ministro Paulo Bernardo e com o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto, entre 2010 e 2012. De acordo com ele, os valores eram divididos de formas iguais. A informação é do jornal Folha de S.Paulo.

    Ainda segundo Romano, a partir de 2012 o ex-ministro da Previdência Carlos Gabbas também passou a se beneficiar do esquema. Preso desde 13 de agosto em Curitiba, Romano saiu da prisão no sábado (17) após o acordo de delação premiada e ficará em prisão domiciliar.

    Advogado nega que Paulo Bernardo tenha sido citado na Lava Jato

    Folha de S.Paulo afirma que Alexandre Romano denunciou propinas a ex-ministro em contrato com a Consist

    Leia a matéria completa

    De acordo com informações prévias da investigação dentro da Lava Jato, os desvios relacionados ao Planejamento chegam a R$ 51 milhões desde 2010. Foi justamente neste ano que a pasta contratou, sem licitação, a empresa Consist, que avaliava a capacidade dos funcionários do ministério tomarem empréstimos consignados. Paulo Bernardo era o ministro na época.

    Delator pediu ajuda a amigo de Lula para favorecer empresa de Eike Batista

    Leia a matéria completa

    De acordo com a investigação, a Consist contratava escritórios de advocacia de Curitiba, São Paulo e Porto Alegre, com o valor que a empresa pagava sendo repassado para petistas. E-mail em posso da Polícia Federal mostra que Paulo Bernardo indicava o que deveria ser feito com o dinheiro. Até mesmo um motorista da senadora Gleisi Hoffmann, mulher de Bernardo, foi pago com recursos do esquema.

    De acordo com a Folha, Romano é considerado peça-chave da investigação porque era quem recebia o dinheiro da Consist em São Paulo. O esquema envolvendo o Ministério do Planejamento até começou a ser apurado pela Operação Lava Jato em Curitiba, mas o inquérito passou para a Justiça Federal em São Paulo depois que o Supremo Tribunal Federal (STF) entendeu que o caso não tinha relação com a máfia dentro da Petrobras.

    Delator diz que Lula negociou contratos suspeitos da Petrobras

    Em depoimento, Fernando Baiano afirma que o ex-presidente tratou da compra de navios-sonda. Investigações concluíram que o negócio envolveu propina

    Leia a matéria completa

    Como tem foro privilegiado por senadora, o caso de Gleisi está no STF. Já o de Paulo Bernardo, sem mandato, está na Justiça Federal de São Paulo.

    Outro delator da Lava Jato, Milton Pascowitch, informou dentro da investigação que a Consist pagou R$ 10,7 milhões para o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto para conseguir o contrato no Ministério do Planejamento.

    Outro lado

    Procurados pela Folha de S. Paulo, o ex-ministro Paulo Bernardo e o PT não quiseram se manifestar. O ex-ministro Carlos Gabbas nega ter recebido recursos ilegais. Luiz Flávio Borges D’Urso, advogado de Vaccari, diz que seu cliente só recebeu doações legais.

    A senadora Gleisi Hoffmann disse que nunca recebeu doações da Consist.Advogado de Romano, Antonio Figueiredo Basto nega que seu cliente tenha feito delação.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

      Receba Nossas Notícias

      Receba nossas newsletters

      Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

      Receba nossas notícias no celular

      WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

      Comentários [ 0 ]

      O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.