i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
lava jato

Ex-vereador do PT liga jurídico de Gleisi a propina paga a Gushiken

    • Estadão Conteúdo Web
    • 20/08/2015 13:12
    Gleisi disse que o “o escritório de Guilherme Gonçalves é conceituado e referência em direito eleitoral “ no Paraná. | Wenderson Araujo/Gazeta do Povo
    Gleisi disse que o “o escritório de Guilherme Gonçalves é conceituado e referência em direito eleitoral “ no Paraná.| Foto: Wenderson Araujo/Gazeta do Povo

    O ex-vereador do PT Alexandre Romano, conhecido como Chambinho, afirmou à Polícia Federal que foi Luis Gushiken (morto em 2013), ex-ministro de Comunicação do governo Lula, que indicou o advogado Guilherme Gonçalves, jurídico na área eleitoral da senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), para o recebimento de 9% da propina destinada a ele da empresa Consist Software, no contrato de empréstimos consignados do Ministério do Planejamento.

    “Inicialmente os honorários acordados com a Consist foram de 25,8%”, contou ele, em depoimento prestado na sexta-feira (14), à delegada de Polícia Federal Renata da Silva Rodrigues. O porcentual teria sido aumentado para 32%. “Posteriormente, a pedido de Gushiken, destinou aproximadamente 9% para o escritório Guilherme Gonçalves”, revelou Romano, em colaboração espontânea prestada na oitiva.

    O ex-ministro do governo Lula, segundo Romano, ainda indicou posteriormente uma segunda empresa que se beneficiaria dos honorários, que era ligada a “eles” (o Partido dos Trabalhadores).

    Valores

    Guilherme Gonçalves teria recebido mais de R$ 6 milhões em propina, da empresa Consist Software, que desde 2010 prestava serviços indiretamente para o Ministério do Planejamento. O advogado é ligado ao PT e próximo da senadora Gleisi Hoffmann e de seu marido, o ex-ministro Paulo Bernardo (Planejamento e Comunicação).

    O escritório de advocacia de Gonçalves foi, segundo a força-tarefa da Lava Jato, uma das seis pessoas jurídicas utilizadas como canais para o pagamento de propinas utilizado por Romano, ex-vereador de Americana (SP) pelo PT e preso temporariamente no dia 13 de agosto. O juiz federal Sergio Moro converteu, no dia 18, a custódia dele em prisão preventiva.

    Esquema alvo

    Romano foi o único detido na 18ª fase da Lava Jato, a Pixuleco II. Segundo as investigações, ele é suspeito de intermediar um contrato obtido pela Consist em 2010, envolvendo o Ministério do Planejamento para fornecimento de um software de gestão para cálculo de crédito consignado a mais de dois milhões de servidores públicos federais.

    Este contrato, segundo a Lava Jato, gerou a cobrança de ao menos R$ 50 milhões em propinas nos últimos cinco anos.

    O escritório de Gonçalves atuou como jurídico de campanhas de Gleisi e prestou serviços para Paulo Bernardo. A senadora é alvo de investigação da Lava Jato na Procuradoria-Geral da República. Em delações premiadas, o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa e o doleiro Alberto Youssef afirmaram que Gleisi recebeu R$ 1 milhão do esquema de corrupção na estatal durante a campanha de 2010.

    Defesa

    Em nota, Gleisi Hoffmann esclarece “que conhece Guilherme Gonçalves, como militante do Partido dos Trabalhadores e depois como advogado das coligações partidárias nas três campanhas eleitorais em que disputou eleições majoritárias: 2008, 2010 e 2014”.

    A senadora também afirma que em “sua prestação de contas dos processos eleitorais está registrado o serviço realizado e o pagamento respectivo, assim como de outros profissionais”.

    A nota também destaca que “o escritório de Guilherme Gonçalves é conceituado e referência em direito eleitoral no Estado do Paraná, atendendo a vários partidos e candidatos” e que a senadora “desconhece as relações comerciais e contratuais do advogado”.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

      Receba Nossas Notícias

      Receba nossas newsletters

      Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

      Receba nossas notícias no celular

      WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

      Comentários [ 0 ]

      O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.