Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...

Familiares e amigos velam na Assembleia Legislativa, na Zona Sul de São Paulo, o corpo do senador Romeu Tuma, que morreu nesta terça-feira (26) de falência múltipla dos órgãos aos 79 anos. O corpo chegou ao local por volta das 21h15.

O irmão mais velho do senador foi um dos primeiros familiares a chegar ao velório. Em alguns momentos emocionado, Rezkalla Tuma, de 83 anos, não escondeu a surpresa com a morte do parlamentar, que estava internado desde setembro, em plena campanha para o Senado.

"Parecia que era um mal da garganta, mas o quadro foi se agravando. Tudo levava a crer que o mal não ia levar a essa consequência. A luta foi muito grande para preservar a vida dele", afirmou Rezkalla, no Hall Monumental da Assembleia, onde será o velório. Para o primogênito – o senador tinha ainda mais dois irmãos e uma irmã -, Tuma deve ser lembrado como um homem que "sempre se dedicou à causa pública" e foi "humano" mesmo em épocas políticas distintas.

O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, também compareceu onde será velório para prestar homenagem a Romeu Tuma. "Era um cidadão exemplar. É triste. Ele deixa um legado de realizações, um exemplo de competência, do que é ser solidário".

O ex-ministro da Justiça e advogado Marcio Thomaz Bastos chegou à Assembleia Legislativa de São Paulo às 21h desta terça-feira. Ele contou que estava no velório por ser amigo pessoal de Romeu Tuma e da família dele e ainda porque a candidata do PT à presidência Dilma Rousseff não poderia vir. Com agenda fora da capital, a pestista pediu a Bastos que a representasse. "Ela enviou uma mensagem de carinho, de sentimento de pêsames", disse ele.

Bastos lembrou que conviveu com o senador "em campos adversos" quando ele era advogado e Tuma delegado, na década de 1960 e 1970. No entanto, disse que a relação entre os dois sempre foi respeitosa e classificou a carreira do parlamentar como "impecável". "Ele sempre teve muito entusiasmo e espírito público."

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes disse que a última vez em que conversou com Romeu Tuma foi na véspera das eleições, pois o parlamentar se candidatou novamente ao Senado. "Desejei boa sorte a ele", contou.

Mendes disse que Tuma sempre mostrou preocupação com a saúde e chegou a temer o ritmo puxado no período eleitoral. "Ele estava preocupado com a dureza da campanha." Para o ministro, o senador "sempre foi amigo" do STF.

O enterro de Romeu Tuma está previsto para as 15h desta quarta-feira (27) no cemitério São Paulo, na Zona Oeste da capital.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]