| Antônio More/Gazeta do Povo
| Foto: Antônio More/Gazeta do Povo

A prefeitura de Curitiba pretende parcelar em até 60 vezes uma dívida milionária que tem com o Instituto de Previdência dos Servidores do município (IPMC). O débito corresponde a aportes extras mensais que, por lei, devem ser feitos ao sistema previdenciário da capital desde janeiro de 2009.

Richa amplia investimentos, mas falta ritmo para atingir promessa de meta recorde em 2016

Leia a matéria completa

Segundo o projeto enviado pelo prefeito Gustavo Fruet (PDT) à Câmara de Vereadores em regime de urgência, a medida gerou “um desequilíbrio entre a real necessidade de aportes e a proporcionalidade do valor aportado em relação à receita corrente líquida”.

Sancionada pelo então prefeito Beto Richa (PSDB) com aval do Ministério da Previdência, a Lei 12.821, de 2008, instituiu os aportes extras equivalentes ao custo mensal dos benefícios dos servidores ativos até o fim daquele ano e que fossem se aposentar até 31 de julho de 2023. O objetivo era dar “equilíbrio financeiro e atuarial” ao IPMC.

Inadmissível

Coordenadora-geral do Sindicato dos Servidores Públicos de Curitiba (Sismuc), Irene Rodrigues dos Santos afirma que o funcionalismo vem alertando desde o ano passado para o débito previdenciário da prefeitura em relação aos aportes extras. Segundo ela, apesar de o parcelamento previsto no projeto ser legal e permitido pelo Ministério da Previdência, é inadmissível que um gestor público deixe dívidas para o sucessor e que o dinheiro do contribuinte arque com isso, na medida em que haverá juros e correção. “Não é justo que os servidores paguem essa conta, afinal a contribuição previdenciária é descontada mensalmente dos nossos salários”, defende.

De acordo com a administração Fruet, no entanto, de 2009 para 2015, esses aportes saltaram de 0,4% para 4% da receita corrente líquida do município − até 2023, a projeção é que o índice atinja 7,13%. Nesses sete anos, o desembolso da prefeitura passou de R$ 12,3 milhões para R$ 250,3 milhões. “Diante disso, aliado à conjuntura econômica no Brasil, o município encontrou dificuldades em realizar os aportes extras referentes aos meses de agosto de 2015 a abril de 2016”, justifica o pedetista na proposta enviada aos vereadores, ressaltando que as contribuições previdenciárias regulares da prefeitura estão em dia.

No projeto, Fruet estabelece que a dívida gerada com o atraso nos repasses extras desses nove meses seja corrigida pelo INPC e mais 6% de juros ao ano. A medida custaria aos cofres do município R$ 27,3 milhões neste ano, R$ 51,4 milhões em 2017 e R$ 57,8 milhões em 2018.

Questionada se tem a intenção de alterar as regras dos aportes extras à previdência municipal uma vez que os repasses seguirão previstos em lei e, portanto, a dívida continuará aumentando, a prefeitura informou que não há nenhuma previsão nesse sentido.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]