Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
Sede da Copel na rua Coronel Dulcídio, em Curitiba. | Aniele Nascimento/Gazeta do Povo
Sede da Copel na rua Coronel Dulcídio, em Curitiba.| Foto: Aniele Nascimento/Gazeta do Povo

Mantendo a situação de 2014, estamos nos caminhando para não ter dinheiro para mais nada. Aí a população vai ter que decidir: vamos contribuir com impostos para pagar o funcionalismo e não ter mais benefício nenhum do estado? A situação é muito grave

Mauro Ricardo Secretário da Fazenda

Em meio a uma das piores crises financeiras de sua história, o governo do Paraná volta a falar em vender fatias de suas principais empresas estatais, a Companhia Paranaense de energia (Copel) e a Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar), para obter recursos.

A informação é do secretário da Fazenda, Mauro Ricardo Machado da Costa, em entrevista publicada nesta terça (10) ao jornal Valor Econômico. “Estamos estudando para levar ao governador. A venda pode ocorrer neste ano, dependendo das condições do mercado”, disse.

As ações das estatais vendidas, segundo o diário, seriam as do excedente do controle do estado – as empresas, portanto, permaneceriam sobre o controle estatal. O estado arrecadaria até R$ 950 milhões com a venda deste excedente, segundo estimativas do Valor Data. atualmente o Paraná possui 58% das ações ordinárias da Copel e 74% das ações ordinárias da Sanepar.

O secretário espera ainda que, além da venda, as estatais cortem despesas e ferem o maior dividendo possível para os acionistas – o que geraria caixa para o estado.

Segundo Mauro Ricardo, o estado enfrenta sérias dificuldades de caixa. “Quando cheguei [ao governo] havia uns R$ 10 bilhões de recursos livres disponíveis. Não havia dinheiro para cumprir compromissos assumidos pela administração. Esse é o problema: dívidas e um orçamento desequilibrado. Estou fazendo um trabalho que acho o adequado. Até porque, se não for feito o ajuste fiscal, podem esquecer reajustes salariais no futuro. Mantendo a situação de 2014, estamos nos caminhando para não ter dinheiro para mais nada. Aí a população vai ter que decidir: vamos contribuir com impostos para pagar o funcionalismo e não ter mais benefício nenhum do estado? A situação é muito grave” afirmou.

Atualização: Em nota oficial, o governador Beto Richa desmentiu o secretário da Fazenda e desautorizou declarações sobre venda de papéis de estatais.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]