i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
mídia

Impeachment de Dilma sem motivo seria dano à democracia, diz NYT

    • são paulo
    • Folhapress Web
    • 18/08/2015 11:46
    Apesar da crise e da pressão, Dilma segue sua rotina de pedaladas matinais. | Ueslei Marcelino/Reuters
    Apesar da crise e da pressão, Dilma segue sua rotina de pedaladas matinais.| Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

    Em editorial publicado nesta segunda-feira (17), o jornal americano The New York Times diz que o impeachment da presidente Dilma Rousseff sem evidências concretas de que ela tenha cometido ilegalidades traria “sério dano a uma democracia que vem se fortalecendo nos últimos 30 anos”.

    O texto, publicado nesta terça -feira (18) na versão internacional do “NYT”, ressalta o contexto de crise econômica no país e a Operação Lava Jato, mas afirma que “a solução não deve minar as instituições democráticas, que garantem estabilidade, credibilidade e um governo honesto”.

    “Em meio a essa turbulência, é fácil deixar passar a boa notícia: a força das instituições democráticas brasileiras”, diz o texto. O jornal afirma que os promotores da Operação Lava Jato não foram dissuadidos por quem está no poder, o que “representa um revés para a cultura arraigada de imunidade entre as elites governamentais e empresariais”.

    O jornal cita as prisões de ex-executivos da Petrobras, do presidente do grupo Odebrecht, Marcelo Odebrecht, e do almirante reformado Othon Luiz Pinheiro da Silva, presidente licenciado da Eletronuclear suspeito de receber propinas de empreiteiras responsáveis pela construção da usina de Angra 3.

    Popularidade

    O jornal lembra ainda os protestos pelo impeachment de Dilma neste domingo (16) e a baixa popularidade da presidente, mas diz que “nada sugere que outro líder político faria um trabalho melhor na economia”.

    O “NYT” aponta que a presidente, que presidiu o Conselho de Administração da Petrobras entre 2003 e 2010, “não tomou medidas para constranger ou influenciar as investigações” da Lava Jato, apesar do custo político da operação. Em vez disso, “enfatizou que ninguém está acima da lei e apoiou a recondução de Rodrigo Janot”, procurador-geral da República.

    O editorial esclarece que as investigações não encontraram evidências de ilegalidades cometidas pela presidente, mas que “sem dúvida” Dilma é responsável pelas políticas que levaram o Brasil à crise econômica.

    Nesta segunda (17), o jornal britânico Financial Times também afirmou em editorial que ainda não há motivos para o impeachment de Dilma e que, caso ela deixasse o cargo, seria substituída por “outro político medíocre”.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

      Receba Nossas Notícias

      Receba nossas newsletters

      Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

      Receba nossas notícias no celular

      WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

      Comentários [ 0 ]

      O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.