i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
enriquecimento ilícito

Inquérito da 3.ª fase indicia 10 suspeitos de corrupção na Receita

  • PorFábio Silveira, do JL
  • Londrina
  • 20/10/2015 21:00

O inquérito policial da terceira fase da Operação Publicano foi concluído na sexta-feira (16), com o indiciamento de 10 pessoas, sob a suspeita de envolvimento com crimes como falsidade ideológica e lavagem de dinheiro. O inquérito, conduzido pelo delegado Ernandes Cezar Alves, foi encaminhado para a 3ª Vara Criminal e na sequência será reenviado para o Ministério Público, abrindo um prazo de 10 dias para a apresentação de denúncia.

Segundo Alves, além das seis pessoas com a prisão preventiva decretada, também foram indiciadas dois empresários e duas pessoas que teriam sido usadas como “laranjas” pelo suposto esquema. Foram presos o ex-delegado da Receita Estadual em Londrina José Luiz Favoreto; o irmão dele, Antônio Pereira Júnior Favoreto; Leila Pereira, esposa dele; o empresário Sarkis Sâmara; e a esposa dele, Marlúcia Sâmara. O delegado Alves foi designado para tocar o inquérito porque o delegado do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), Alan Flore, tinha um impedimento.

A Publicano 3 investiga denúncia de enriquecimento ilícito e de lavagem de dinheiro atribuído a Favoreto – ele é o único auditor fiscal investigado nessa situação. O Gaeco rastreou cerca de R$ 6 milhões que pertenceriam a Favoreto, que está preso desde 8 de outubro. O advogado de Favoreto, Walter Bittar, disse que não comentaria o caso porque não teve acesso às investigações.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.