i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
lava jato

Juiz bloqueia até R$ 20 milhões de executivos investigados na Lava Jato

    • Folhapress
    • 19/06/2015 16:42
    Os presidentes Marcelo Odebrecht, da empresa Odebrecht, e Otávio Marques de Azevedo, da Andrade Gutierrez, estão nessa lista | /
    Os presidentes Marcelo Odebrecht, da empresa Odebrecht, e Otávio Marques de Azevedo, da Andrade Gutierrez, estão nessa lista| Foto: /

    Na decisão que determinou a prisão dos principais executivos da Odebrecht e da Andrade Gutierrez, o juiz federal Sergio Moro também bloqueou o saldo de contas correntes e ativos financeiros de dez investigados -inclusive dos presidentes das empreiteiras. Até R$ 20 milhões de cada executivo será sequestrado pela Justiça.

    Os presidentes Marcelo Odebrecht, da empresa Odebrecht, e Otávio Marques de Azevedo, da Andrade Gutierrez, estão nessa lista.

    Também foram atingidos os executivos da Odebrecht Marcio Faria, Rogério Araújo e Cesar Ramos Rocha; da Andrade Gutierrez, Elton Negrão de Azevedo Júnior, Paulo Roberto Dalmazzo e Antônio Pedro Campelo de Souza; o empregado da Petrobras Celso Araripe; e o ex-funcionário da Odebrecht João Antônio Bernardi Filho, sócio de uma empresa que operava a lavagem de dinheiro, segundo as investigações. “O esquema criminoso em questão gerou ganhos ilícitos às empreiteiras e aos investigados, justificando-se a medida para privá-los do produto de suas atividades criminosas”, escreveu Moro, no despacho.

    Ele pondera que nem todos os recursos bloqueados têm necessariamente origem ilícita, e que valores referentes a salários podem ser liberados depois, mediante pedido.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

      Receba Nossas Notícias

      Receba nossas newsletters

      Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

      Receba nossas notícias no celular

      WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

      Comentários [ 0 ]

      O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.