i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Memória

Juiz Federal extingue processo contra coronel Ustra

O MPF acusava Ustra e o delegado de polícia Alcides Singillo de sequestrar e ocultar o cadáver do militante político Hiroaki Torigoe

  • PorAgência Estado
  • 14/01/2014 18:23

A Justiça Federal declarou extinta a punibilidade do coronel da reserva Carlos Alberto Ustra, acusado de ocultação de cadáver. Segundo a denúncia apresentada pelo Ministério Público Federal, no dia 5 de janeiro de 1972, o então major Ustra e o delegado de polícia Alcides Singillo sequestraram e ocultaram o cadáver do militante político Hiroaki Torigoe. Uma vez que o cadáver nunca apareceu, os procuradores da República alegaram que o crime é permanente e deve ser punido de acordo com o Código Penal.

O juiz Fernando Américo de Figueiredo Porto, substituto da 5ª Vara Federal Criminal, entendeu, porém, que o crime está prescrito. Trata-se de uma decisão de primeira instância e o MPF deve recorrer.

Ao explicar a decisão, o magistrado apresentou uma distinção entre destruição de cadáver, crime que tem sua prescrição iniciada a partir da destruição; e ocultação, que não prescreve até sua localização. Em seguida ele observou que, desta forma, a lei "seria mais grave para o sujeito que ocultou o cadáver, em relação ao que destruiu, o que é um contrassenso já que o objeto jurídico da norma é proteger o morto".

Para Figueiredo Porto, o crime do qual Ustra e o delegado são acusados, embora possua efeito permanente, seria um crime instantâneo, cuja consumação se dá a partir do momento em que o corpo desaparece. Em vista disso, reconheceu a prescrição defendida pelos advogados dos réus e declarou extinto o processo.

Há uma outra ação em andamento contra os mesmos réus na Justiça Federal em São Paulo. Ela tramita na 9.ª Vara Federal, onde o juiz aceitou a denúncia do MPF pelo crime de sequestro qualificado de Edgar Aquino Duarte, em 1973.

O MPF não quis comentar oficialmente a decisão do juiz Figueiredo Porto, uma vez que até o final da tarde não tinha recebido nenhum comunicado da Justiça Federal. Mas, segundo o procurador da República Sérgio Suiama, um dos autores da denúncia, é quase certo que o MPF irá recorrer.

Suiama, que hoje atua no Rio, qualificou a posição do magistrado como "esdrúxula" e "lamentável". Na avaliação dele, o Código Penal faz uma distinção clara entre os crimes instantâneos (como a destruição do cadáver) e permanentes ( a ocultação, ainda não encerrada, dos restos mortais da vítima). "No primeiro caso, não há mais objeto a ser preservado, uma vez que o cadáver da vítima foi destruído. Já no caso da ocultação, ainda há um objeto que exige proteção jurídica, uma vez que, para os familiares ainda é valioso obter informações seguras a respeito do paradeiro do morto", afirmou.

"Ao equiparar ilegalmente as duas situações", completou, "o magistrado ignora que os acusados ainda podem dar satisfações a respeito do paradeiro dos restos mortais de Hiroaki Torigoe".

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.