i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Carta editorial

O perigo das redes sociais

  • PorKamila Mendes Martins, jornalista. Editora do caderno Justiça & Direito
  • 28/03/2013 21:02

As redes sociais, como Facebook e Twitter, são a nova praça pública da cidade. As pessoas as utilizam para debater temas polêmicos, compartilhar fotos, viagens. Como a interação é com o computador, muitos usuários se sentem tão à vontade que passam a ter surtos de sinceridade, postando o que lhes vier a cabeça, sem pensar nas consequências. E uma delas, quando devidamente documentada, pode servir como mais um elemento para o convencimento do juiz na hora da decisão.

As postagens sozinhas não servem como prova, mas, a partir delas, é possível obter um indício para a investigação. Há ainda os casos em que o próprio crime é praticado na internet, nesse caso o perfil pode virar alvo de ações na justiça. A matéria de capa da semana trata sobre esse tema.

Já o entrevistado da semana faz um contraponto à jurista que conversou com a reportagem na semana passada, Paola Bianchi. Ela defende a revisão da Lei de Anistia. Já Alexandre Magno Fernandes Moreira, coordenador de licitações, contratos e convênios na Consultoria Jurídica do Ministério da Educação e procurador do Banco Central, afirma haver a impossibilidade jurídica dessa revisão. O jurista defende o posicionamento do Supremo Tribunal Federal (STF) de que não há possibilidade de mudar o que foi feito, pois os argumentos utilizados não são cabíveis dentro do sistema maior do Estado de Direito.

Além dele, o advogado Fabricio Massardo comenta um tema bem polêmico em seu artigo. Segundo o jurista, o quinto constitucional não é aplicado de forma adequada nos tribunais paranaenses, uma vez que há vários juízes substitutos trabalhando na segunda instância. E, ainda, o professor de ciências atuariais da PUCSP sugere a criação de um novo imposto de valor agregado que seria a simples fusão do ICMS com outros semelhantes da esfera federal como IPI, PIS e COFINS.

Boa leitura!

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.