i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Lava Jato

Laranja de Youssef cita ligação com tucano de Londrina

No depoimento, Leonardo Meirelles diz que presenciou uma ligação telefônica entre Youssef e Sérgio Guerra

  • PorDa redação, com Estadão Conteúdo
  • 21/10/2014 15:22

Na primeira sentença da Operação Lava Jato o doleiro Alberto Youssef é absolvido. Três são condenados

Saiu nesta segunda-feira (20) a primeira sentença referente a Operação Lava Jato, da Polícia Federal, que investigou a atuação de diversos doleiros no país. Na ação penal que tratava dos crimes de tráfico de drogas e evasão de divisas, o juiz federal Sérgio Moro absolveu o doleiro Alberto Youssef, acusado na ação penal do crime de lavagem de dinheiro, por falta de provas.

Rene Luiz Pereira foi condenado a 14 anos de prisão em regime fechado e multa de R$ 632.574,00 pelos crimes de tráfico internacional de drogas, lavagem de dinheiro e evasão fraudulenta de divisas. O doleiro Carlos Habib Chater foi condenado pelos crimes de lavagem de dinheiro e foi condenado a cinco anos e seis meses de prisão, em regime fechado, e multa de R$ 67.800,00. Já André Catão de Miranda foi condenado a quatro anos de reclusão em regime semiaberto, e multa de R$ 67.800,00 pelo crime de lavagem de dinheiro.

Essa é a primeira sentença das ações penais que originaram das investigações da Operação Lava Jato da Polícia Federal.

Leia mais

 |

Oposição quer convocar Gleisi para depor na CPMI da Petrobras

A senadora foi acusada pelo ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa de receber R$ 1 milhão, oriundos de desvios na estatal.

Leia a matéria na íntegra.

Londrina na lavanderia

Londrina aparentemente é o epicentro da Lava Jato. Além de Youssef, outros nomes supostamente ligados ao esquema são de lá. Relembre no blog Caixa Zero.

Laranja de Alberto Youssef no laboratório Labogen, Leonardo Meirelles reforçou a ligação de políticos do PSDB com o esquema investigado na operação Lava Jato, da Polícia Federal (PF) e do Ministério Público Federal (MPF). Em depoimento prestado nesta segunda-feira (21) para a Justiça Federal, em Curitiba, ele diz que Youssef tinha contato com o ex-presidente nacional do PSDB, Sérgio Guerra, e também com outro tucano descrito como "padrinho político do passado" e "conterrâneo" de Youssef – que é de Londrina, no Norte do Paraná.

No depoimento, Meirelles diz que presenciou uma ligação telefônica entre Youssef e Guerra. "Em uma das ocasiões eu estava na sala (de Youssef), teve um contato telefônico do Alberto Youssef do qual surgiu o nome (Sérgio Guerra). Faltava um ajuste, alguém estava não reclamando, estava atribuindo alguma coisa que não estava acontecendo, que não estava caminhando em virtude do que tinha uma coisa do passado que estava parado. Aí surgiu o nome (Guerra)" (sic), relatou.

A menção ao segundo tucano aparece quando Meirelles é questionado se Youssef trabalhava para outros partidos além de PT, PMDB e PP – apontados nas investigações como os maiores beneficiados do esquema. "Sim, acredito eu que o PSDB e, eventualmente, algum padrinho político do passado e provável conterrâneo da região do senhor Alberto (Youssef)", declarou.

O nome de Guerra, falecido em março deste ano, apareceu pela primeira vez em delação premiada do ex-diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa. Segundo ele, Guerra teria recebido R$ 10 milhões para esvaziar a CPI da Petrobras que se formava em 2009. Segundo o delator, o dinheiro foi efetivamente pago em 2010 pela construtora Queiroz Galvão - contratada da Petrobras - para um emissário do grupo. Tanto a empresa como o PSDB negam o esquema.

Ao Estadão Conteúdo, o advogado de Youssef, Antonio Figueiredo Basto, repudiou as afirmações e disse que Meirelles vai ter que provar o que diz em relação ao suposto elo do doleiro com o PSDB. O partido nega as acusações.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.