Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Vida Pública
  3. Líder do PSDB relatará pedido de afastamento do tucano Derosso

Presidência

Líder do PSDB relatará pedido de afastamento do tucano Derosso

  • Rogerio Waldrigues Galindo
Professora Josete (PT): oposição criticou o parecer do jurídico da Câmara que recomendou o arquivamento do pedido de afastamento de Derosso |
Professora Josete (PT): oposição criticou o parecer do jurídico da Câmara que recomendou o arquivamento do pedido de afastamento de Derosso
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

O requerimento que pede o afastamento definitivo de João Cláudio Derosso (PSDB) da presidência da Câmara de Curitiba foi encaminhado ontem para a Comissão de Legislação e Justiça, onde será relatado pelo líder da bancada do PSDB na Câmara, vereador Emerson Prado. O pedido, feito pela bancada de oposição ao prefeito Luciano Ducci (PSB), recebeu parecer contrário do departamento jurídico da Casa.

A oposição entrou com o requerimento na semana passada, alegando que o presidente da Câmara não poderia ficar mais de 120 dias licenciado do cargo sem perder o direito de exercer a presidência. Segundo os vereadores, a Lei Orgânica de Curitiba (espécie de Constituição municipal) e o regimento interno são omissos sobre o caso. Mas seria possível fazer uma analogia com o artigo que prevê a perda de mandato de quem ficar mais de quatro meses afastado do Legislativo.

Derosso se afastou da presidência da Câmara, que ocupa desde 1997, em novembro do ano passado. O vereador vinha sendo alvo de denúncias, desde julho do ano passado, por supostos problemas na gestão de contratos de publicidade. O Mi­­­nistério Público solicitou o afastamento judicial de Derosso da presidência para que ele não atrapalhasse as investigações. O vereador, porém, preferiu se afastar por conta própria.

Neste mês, quando acabaria o período de 90 dias de afastamento, Derosso pediu a prorrogação por mais três meses, a qual foi aprovada por unanimidade pelo plenário. A oposição, porém, afirmou que o assunto foi colocado de propósito entre outros requerimentos e que os vereadores votaram sem saber o que estavam aprovando.

Não procede

O departamento jurídico da Câmara afirmou que a alegação da oposição não procede. Ou seja: embora um vereador não possa ficar mais de 120 dias licenciado do mandato, não há nada que diga que o presidente não possa ficar fora da função por um tempo maior.

O parecer também diz que não há motivo para a realização de uma nova eleição para presidente do Legislativo, como sugere a oposição.

“Não se configura a ocorrência de vaga na presidência uma vez que não se operou a perda do cargo, morte ou renúncia expressa”, afirma o texto, assinado pela procuradora Waléria Christina de Oliveira Maida.

Segundo o presidente interino da Câmara, o vereador Sabino Picolo (DEM), que decidiu encaminhar o pedido para a Comissão de Legislação e Justiça, o procedimento padrão de votação de requerimentos – de votar o pedido no mesmo dia em que é protocolado – não foi adotado porque havia dúvidas jurídicas sobre o caso. “Agora, a Comissão de Legislação e Justiça determina se o caso será arquivado ou se aprova o texto e envia novamente para o plenário”, afirmou ontem.

A oposição reclamou do fato de o relator do caso na comissão ser um correligionário de Derosso. “Já é um absurdo que o caso tenha ido para o jurídico. Agora vai para uma comissão e ainda para ser relatado pela líder da bancada do partido do Derosso”, disse a vereadora Professora Josete (PT), uma das autoras do requerimento.

A reportagem tentou contato com o vereador Emerson Prado e com João Cláudio Derosso, mas nenhum dos dois quis se pronunciar sobre o assunto.

Interatividade

João Cláudio Derosso (PSDB) deveria ser afastado de forma definitiva da presidência da Câmara Municipal de Curitiba? Por quê?

Escreva para leitor@gazetadopovo.com.br

As cartas selecionadas serão publicadas na Coluna do Leitor.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE