Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
Lula com o ex-ministro José Dirceu (ao fundo): apoio incondicional do ex-presidente. | Agência Brasil
Lula com o ex-ministro José Dirceu (ao fundo): apoio incondicional do ex-presidente.| Foto: Agência Brasil

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta quarta-feira (20 ) que o PT tem que ter “solidariedade” com os companheiros envolvidos em denúncias e elogiou o ex-ministro José Dirceu – sem mencionar que ele foi condenado no mensalão e que é investigado na Operação Lava Jato .

“Neste momento, a gente tem que ter muita a solidariedade. Não é porque o companheiro da gente cometeu erro que a gente tem que execrar ele”, disse o ex-presidente durante evento com blogueiros no Instituto Lula, na capital paulista. “O companheiro Zé Dirceu pode ter cometido muitos erros, mas a gente tem que saber que ele foi um grande responsável por esse partido, foi um grande presidente do partido.”

Não há promotor ou empresário com coragem de dizer que fiz algo ilícito, diz Lula

Leia a matéria completa

Lula disse que o PT “aprendeu uma grande lição” e que “está sofrendo”, mas que não é questão de voltar às origens do partido. O ex-presidente argumentou que a legenda mudou muito porque cresceu. “Sabe quanta gente entrou no PT depois que a gente ganhou as eleições? Mais de um milhão. A vida prática é difícil”, disse.

O petista defendeu que os “companheiros” implicados em denúncias sejam julgados, em processos com lisura e isenção, e “que o PT siga sua vida”.

Lula falou que muitas vezes decretaram a morte do PT e o fim dele mesmo como líder. “O PT saberá fazer justiça a seus companheiros, respeitando os companheiros. Enquanto não for provado que cometeu erro, tenho que estar do lado do meu companheiro. E pode estar certo, o PT vai ressurgir como fênix, vai ressurgir das cinzas muito mais forte.”

Ele reforçou que essa determinação vai guiar a legenda nas eleições municipais deste ano. “Estou com muito mais vontade de ir para a periferia nesta campanha do que tive em outras. Gosto de uma briga, sobretudo quando tentam me ofender ou ofender as coisas em que acredito”, disse.

“Fecha os olhos 30 segundos e veja o que seria esse país, a política desse país, sem o PT. Isso que a gente vai debater com os tucanos, com quem tiver que debater”, afirmou, ao argumentar que é preciso combater o “discurso fascista” da “direita conservadora” no Brasil. “Uni-vos petistas em torno da causa nobre da inclusão social”, conclamou.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]