i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
em curitiba

Marina diz que Dilma e Temer são “siameses da crise” e defende novas eleições

Ex-ministra veio à capital paranaense, apoiar a candidatura de Requião Filho (PMDB), que é do mesmo partido do presidente interino

  • PorFelippe Aníbal
  • 26/08/2016 11:45
Marina Silva veio a Curitiba para apoiar a candidatura de Requião Filho (PMDB) à prefeitura . | Henry Milleo/Gazeta do Povo
Marina Silva veio a Curitiba para apoiar a candidatura de Requião Filho (PMDB) à prefeitura .| Foto: Henry Milleo/Gazeta do Povo

Em meio ao processo de julgamento do impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff (PT), a ex-ministra Marina Silva (Rede) voltou a defender a realização de novas eleições presidenciais. Ela argumenta que “dinheiro do Petrolão” – como ficaram conhecidos os esquemas de corrupção na Petrobras – abasteceu a campanha da Dilma e de seu vice, Michel Temer (PMDB). Por isso, Marina entende que a chapa deve ser cassada pelo Tribunal Superior Eleitoral.

“Dilma e Temer são irmãos siameses da crise política, econômica e de valores que o Brasil enfrenta hoje”, disse a ex-ministra, que esteve em Curitiba, para apoiar a candidatura de Requião Filho (PMD) à prefeitura. “Mais de 68% da população defende a realização de novas eleições”, ressaltou.

Gleisi é pivô de novo bate-boca e sessão do julgamento de Dilma é interrompida

Leia a matéria completa

Marina criticou duramente Michel Temer, classificando o governo interino como “mero hospedeiro da equipe econômica”. A ex-ministra voltou a apresentar seu partido – a Rede – como um representante do que chama de “nova política”, em contraposição à “velha política”, que hoje comanda o governo.

“Prevalecem os mesmos problemas do interior, com trocas de cargos para ter base no Congresso, com quadros denunciados na Lava Jato ocupando”, apontou.

Em relação ao julgamento do impeachment de Dilma, a ex-ministra avalia que houve crime de responsabilidade, apontando que teriam sido feitas operações de crédito sem autorização do Congresso. Paralelamente, Marina manifestou apoio à Lava Jato.

“Tudo isso que está acontecendo é muito saudável. O Brasil está sendo passado a limpo. Estamos vivendo um dos piores momentos políticos do país, com uma crise profunda de valores”, avaliou. “No meu entendimento, não é golpe. O impeachment está previsto na Constituição e está sendo cumprido pelo Supremo [Tribunal Federal]”, completou.

Partidos

Mesmo com críticas agudas ao PMDB, Marina formalizou apoio a Requião Filho, que é candidato pelo partido. Apesar disso, ela não vê incoerência política no ato. Ela lembra que sempre teve o senador Roberto Requião como um de seus bons aliados e apontou que deve ser feito um “recorte programático” na avaliação das relações entre partidos políticos e candidatos.

“Desde 2010, eu tenho dito que temos que olhar para os programas [de governo] e para as pessoas (...). Se formos olhar para os partidos todos, ou a maioria deles, vão ter problemas”, avaliou.

Requião Filho – que foi classificado por Marina como um candidato com “ousadia e competência” – também não vê problemas em ser apoiado por uma pessoa que é se apresenta como crítica ao seu partido. “O PMDB de Curitiba e o PMDB do Paraná sempre defendeu novas eleições”, disse o candidato. “[Em relação à ‘transferência de votos’ de Marina], eu vou ter que convencer os eleitores dela que mereço este voto”, completou.

Em Ponta Grossa

Pela tarde, Marina cumpre agenda em Ponta Grossa, onde vai manifestar apoio à candidatura de Aliel Machado (Rede) à prefeitura da cidade. Aliel, que é deputado federal, contrariou a posição do partido e votou contra a admissibilidade do processo de impeachment da presidente Dilma. Para Marina, o fato não causou nenhum tipo de cisão dentro do partido.

“Não temos essa história de enquadrar as pessoas. A Rede entende que houve crime de responsabilidade e defende o impeachment, mas liberou a bancada”, disse a ex-ministra.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.