Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado

Após discutir com o Ministério Público a possibilidade de se beneficiar da delação premiada, o ex-chefe da divisão de Contratação dos Correios Maurício Marinho, flagrado recebendo propina de R$ 3 mil em nome do PTB, decidiu dar detalhes do esquema de corrupção montado na estatal para arrecadar recursos especialmente para PTB, PT e PMDB.

Em depoimentos sigilosos, transcritos em 82 páginas, Marinho acusa Hassam Gebrim, ex-presidente da estatal ligado ao PSDB, de ter fechado entre 2001 e 2002 contratos superfaturados com a Skymaster, responsável pelo correio aéreo noturno.

Marinho confirmou ainda ter participado ativamente do esquema de corrupção montado na estatal para beneficiar empresas em licitações em troca de doações para partidos.

Pressões por causa da eleição

Ele contou que, em 2004, em razão das eleições, sofreu muita pressão, inclusive do então presidente da estatal, João Henrique, nomeado pelo PMDB, para que viabilizasse com fornecedores a confecção de material de propaganda política.

Marinho decidiu atender apenas aos pedidos de João Henrique, que solicitou ajuda para uma campanha em Rondônia; e de seu chefe direto, o então diretor de Administração, Antônio Osório, nomeado pelo PTB, que solicitou contribuições para nove cidades baianas, entre elas Porto Seguro e Eunápolis.

Ele citou, inclusive, o nome das empresas que contribuíram: Incomir, ELC/Starlock, Polycart e Multiformas, as mesmas que teriam sido beneficiadas por Marinho em licitações e das quais ele teria recebido entre setembro de 2004 e abril deste ano cerca de R$ 20 mil de propina.

Outro beneficiado teria sido o ex-diretor Comercial Carlos Eduardo Fioravanti, segundo suplente do ministro das Comunicações, Hélio Costa (PMDB). Seus pedidos de contribuição teriam sido atendidos pelo empresário Arthur Waschek Neto, o mesmo que assumiu ter montado o flagrante de corrupção de Marinho. Waschek é representante da Polycart, empresa que tem um faturamento mensal nos Correios de R$ 400 mil. Ainda segundo Marinho, grandes fornecedores dos Correios teriam colaborado para campanhas do PT e PMDB em prefeituras de capitais.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]