i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
petrobras

Não tenho absolutamente nada a temer, diz Renan sobre quebra de sigilo

Os pedidos foram protocolados em segredo de Justiça e de forma separada dos inquéritos nos quais os políticos são investigados

    • Estadão Conteúdo
    • 14/05/2015 15:07
     | PAULO WHITAKER/REUTERS
    | Foto: PAULO WHITAKER/REUTERS

    O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), afirmou nesta quinta-feira, 14, ter autorizado o seu advogado a entregar ao ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), os seus sigilos bancário, fiscal e telefônico. Na chegada ao Senado, Renan fez questão de dizer que “a nenhum homem público é proibido ser investigado” e que não tem “absolutamente nada a temer”.

    O jornal O Estado de S. Paulo revelou na quarta-feira, 13, que a Polícia Federal encaminhou ao Supremo pedido para quebra de sigilo contra Renan, o senador Fernando Collor (PTB-AL), o deputado Aníbal Gomes (PMDB-CE) e o ex-deputado João Pizzolatti (PP-SC), sobre investigações por suposta participação no esquema de corrupção envolvendo a Petrobras, descoberto pela Operação Lava Jato.

    A PF enviou as solicitações a Teori Zavascki, relator da Lava Jato, em 7 de maio. Os pedidos foram protocolados em segredo de Justiça e de forma separada dos inquéritos nos quais os políticos são investigados. Nos casos em que Renan, Gomes e Collor são investigados, também foi requisitada quebra de sigilo fiscal.

    O presidente do Senado disse que quer aproveitar esses momentos para esclarecer tudo. “Estou entregando ao ministro Teori (os meus sigilos), ele não precisa sequer despachar, todos os meus sigilos sem exceção”, afirmou.

    “Existem aqueles que têm o que dizer e aqueles que não têm o que dizer. Da minha parte, fique absolutamente tranquilos que eu quero esclarecer, dar todas as informações e entregar o meu sigilo e quero que essas coisas se esclareçam o mais rápido possível”, destacou Renan.

    O presidente do Senado desconversou quando questionado se o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, estaria exagerando nos pedidos. Também não quis responder sobre os pedidos feitos por Fernando Collor, seu aliado, de abertura que protocolou na terça-feira (12) quatro representações contra Janot, questionando decisões dele e alegando “crimes de responsabilidade”, o que poderia resultar no afastamento do chefe do Ministério Público Federal. Collor pediu que a Mesa Diretora do Senado, presidida por Renan, forme uma “comissão especial para analisar a admissibilidade das denúncias”.

    Renan disse apenas que não sabe o que houve, no caso das representações de Collor, e que não tem nada a esconder porque tudo que faz ocorre à luz do dia.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

      Receba Nossas Notícias

      Receba nossas newsletters

      Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

      Receba nossas notícias no celular

      WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

      Comentários [ 0 ]

      O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.