i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
corrupção

Odebrecht pagou R$ 2,6 bi em propinas em 12 países, revelam EUA

Documento do Departamento de Justiça americano ressalta esquema de fraude sem paralelos desde 2001

    • Agência O Globo
    • 21/12/2016 15:59
    Segundo Departamento de Justiça dos EUA, Odebrecht pagou propinas em mais de 100 projetos em 12 países. | Reprodução/Google Street View
    Segundo Departamento de Justiça dos EUA, Odebrecht pagou propinas em mais de 100 projetos em 12 países.| Foto: Reprodução/Google Street View

    Em documento divulgado nesta quarta-feira (21), o Departamento de Justiça dos Estados Unidos (DoJ) revelou que a construtora Odebrecht e seus “co-conspiradores“ pagaram aproximadamente US$ 788 milhões (R$ 2,6 bilhões) em propinas em 11 países, além do Brasil.

    “A Odebrecht se envolveu num abrangente e sem paralelo esquema de propina e fraudes por mais de uma década, começando em 2001”, diz o documento.

    Braskem e Odebrecht fecham acordo de leniência com EUA e Suíça

    Leia a matéria completa

    Segundo o DoJ, os valores foram relativos a “mais de 100 projetos em 12 países, incluindo Angola, Argentina, Brasil, Colômbia, República Dominicana, Equador, Guatemala, México, Moçambique, Panamá, Peru e Venezuela”.

    Em troca dessas propinas, segundo o DoJ, a Odebrecht obteve R$ 12 bilhões, ao câmbio desta quarta-feira, em benefícios com contratos nesses países.

    O documento, divulgado após a assinatura do acordo de leniência da empresa com os EUA nesta quarta-feira, lança luz sobre uma antiga suspeita, de que a Odebrecht também esteve envolvida em esquema de corrupção em países em que atuou fora do Brasil.

    Instituto Lula volta a atacar Moro e diz que Lava Jato atingiu ‘grau de loucura’

    Leia a matéria completa

    O documento é assinado por dois investigadores do governo americano, Robert L. Capers, procurador de Justiça, e Andrew Weissmann, chefe da Seção de Fraude da Divisão Criminal do Departamento de Justiça.

    O ofício ressalta a atuação do Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht, que, segundo os americanos, funcionava somente para pagar propinas em troca da obtenção de contratos públicos.

    O documento descreve o pagamento de propinas em cada país. Um dos valores mais altos foi ligado à Venezuela. Só naquele país a Odebrecht pagou, segundo o DoJ, “aproximadamente US$ 98 milhões em pagamentos corruptos para funcionários do governo e trabalhadores intermediários em benefício deles na Venezuela no sentido de obter e manter contratos de obras públicas”.

    Grampos e gravações abalaram Brasília em 2016; relembre

    Leia a matéria completa

    Em Angola, outro exemplo, entre 2006 e 2013 a Odebrecht teria pago “mais de US$ 50 milhões em corrupção para funcionários do governo de Angola no sentido de assegurar contratos em obras públicas”.

    Em contrapartida, diz o DOJ, a Odebrecht “conseguiu benefícios de aproximadamente US$ 261,7 milhões como resultado desses pagamentos corruptos” somente naquele país.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

      Receba Nossas Notícias

      Receba nossas newsletters

      Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

      Receba nossas notícias no celular

      WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

      Comentários [ 0 ]

      O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.