i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Lava Jato

Pagamentos a Jucá superam R$ 22 milhões, diz delator

Senador de Roraima, que ocupou cargos de liderança em vários governos e hoje é líder do governo no Senado, era considerado o “Resolvedor da República no Congresso”

    • Estadão Conteúdo Web
    • 10/12/2016 09:07
     | Fotos Públicas
    | Foto: Fotos Públicas

    O senador Romero Jucá (PMDB-RR) recebeu R$ 22 milhões de propina da Odebrecht, segundo a delação do ex-vice-presidente de Relações Institucionais da Odebrecht Cláudio Melo Filho. De acordo com o delator, o atual líder do governo no Congresso “concentrava a arrecadação e distribuição dos recursos destinados ao partido”. Em troca, Jucá atuava como “patrocinador” de uma “intensa agenda legislativa” em favor da Odebrecht.

    Jucá recebeu o apelido de “Caju”. O delator disse que o fato de sua relação com Jucá envolver dinheiro lhe dava privilégios, como o de ser recebido a hora que quisesse, mesmo com o gabinete lotado de pessoas; ou de esperar pelo senador na sala dele, mesmo sem a presença do parlamentar.

    Estratégia de Marcelo Odebrecht era investir em MPs

    Leia a matéria completa

    Sobre a escolha do senador como o principal articulador da empreiteira no Congresso, Melo apontou dois motivos: “a intensidade da sua devoção aos pleitos que eram do nosso interesse e o elevado valor dos pagamentos financeiros que foram feitos ao senador ao longo dos anos”, diz o anexo da delação premiada.

    Segundo o ex-executivo da Odebrecht, Jucá atuou para a aprovação de 14 projetos de lei ou medidas provisórias de interesse da empreiteira, principalmente de temas tributários. O delator lembra que ele é considerado o “Resolvedor da República no Congresso” e o “Eterno Líder”, por ter ocupado esse cargo várias vezes. Segundo Melo, Jucá também tinha “desenvoltura” no tratamento com o Poder Executivo, especialmente nos ministérios da Fazenda e do Planejamento.

    A conta, disse o delator, era paga nas eleições. “Todo apoio desenvolvido pelo senador teria, nos momentos de campanha, uma conta a ser paga”, disse. Ele relatou que os apoios eram “equacionados” nas contribuições a pretexto da campanha eleitoral, de forma oficial ou via caixa dois. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

      Receba Nossas Notícias

      Receba nossas newsletters

      Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

      Receba nossas notícias no celular

      WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

      Comentários [ 0 ]

      O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.