i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
PODER

Para tucanos, PMDB usa eleição municipal como impulso à reeleição de Temer

Disputa em capitais e grandes centros estremece relação entre os dois partidos, que são aliados no governo federal

    • BRASÍLIA
    • Agência O Globo
    • 14/08/2016 14:00
    Aécio e Temer na posse do presidente interino: desconfiança. | Marcello Casal Jr/Agência Brasil
    Aécio e Temer na posse do presidente interino: desconfiança.| Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

    Ponte para a corrida presidencial, a eleição municipal deste ano está gerando turbulências na relação entre PMDB e PSDB, ambos de olho em 2018.

    Os dois partidos são adversários em 11 capitais e a disputa ocorre em clima de desconfiança. Com três pré-candidatos à Presidência da República – Aécio Neves, José Serra e Geraldo Alckmin –, o PSDB vê no partido do presidente interino, Michel Temer, uma máquina eleitoral com o objetivo de impulsioná-lo à reeleição.

    Apesar dos peemedebistas reiterarem que Temer está fora de 2018, os tucanos não estão convencidos disso e ainda temem uma possível candidatura do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, filiado ao PSD.

    Será uma relação delicada nos próximos dois anos, já que PSDB e PMDB estão jogando todas as fichas nas eleições municipais de outubro para se cacifarem para a grande disputa pelo espólio do combalido PT em 2018.

    Curitiba teve prefeito que ficou só 4 dias no cargo; confira outras curiosidades

    Saiba quem foi ele, descubra qual prefeito comandou a cidade por mais tempo e conheça outras curiosidades sobre os chefes do Executivo municipal.

    Leia a matéria completa

    No mapa das candidaturas nas 27 capitais, PSDB e PMDB são mais adversários do que aliados. Das 13 capitais onde os tucanos têm candidatos a prefeito, em 10 o PMDB está no campo adversário: Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Recife, Porto Alegre, São Paulo, Belém, Maceió, Campo Grande, Cuiabá e Porto Velho.

    João Pessoa é um dos raros exemplos de parceria, onde os dois apoiam a candidatura à reeleição do prefeito Luciano Cartaxo (PSD). Mas são adversários no segundo maior colégio eleitoral da Paraíba, Campina Grande, base do líder do PSDB no Senado, Cássio Cunha Lima.

    O tucano diz esperar que o PMDB não use o peso da máquina federal para derrotar as candidaturas do PSDB. “É o lógico. Do contrário terá repercussão negativa. Além do mais, o uso da máquina é crime”, alerta Cunha Lima.

    A contabilidade muda nas cidades grandes – fora as capitais – e de médio porte. Nesses redutos, os tucanos foram os maiores beneficiados com o rompimento entre PMDB e PT. As alianças de outrora entre petistas e peemedebistas, impulsionadas pelos governos Lula e Dilma, desintegraram. E PMDB e PSDB retomaram antigas parcerias.

    Paralelamente às disputas municipais, os tucanos nutrem desconfiança em relação ao uso da máquina federal para alavancar uma candidatura do PMDB em 2018. Os tucanos estão irritados com a movimentação do ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha. Dizem que ele atua pesadamente para tirar partidos das coligações do PSDB nas capitais, principalmente em Porto Alegre.

    Desilusão com políticos é oportunidade para envolver mais os jovens com a política

    Esqueça o voto nulo ou em branco. Descrença tem que ser encarada como oportunidade para atrair os jovens a se envolverem mais com o fazer político, que não se resume a votar

    Leia a matéria completa

    “Padilha está atuando direto, por debaixo dos panos, em desfavor do PSDB. Está tirando partidos das nossas coligações. Articulou pesado em umas quatro capitais, principalmente em Porto Alegre. Padilha é gato, ele tira a castanha sem se queimar na fogueira”, reclama um dos dirigentes tucanos.

    O ministro nega envolvimento nas campanhas municipais. Diz que não houve nenhuma tentativa de impedir a candidatura tucana em Porto Alegre, tanto que o deputado Marchezan Júnior está na disputa.

    “A determinação do presidente Michel Temer está sendo seguida à risca por mim e é no sentido de que onde houver disputa entre candidatos de partidos que integram a base do governo, não haja nenhuma participação”, disse Padilha.

    O ministro citou uma mensagem que enviou a todos os demais ministros, em um grupo privado no WhatsApp: “O governo não pode tomar partido nas disputas entre as legendas que formam sua base congressual”.

    Padilha reafirmou que a candidatura de Temer em 2018 está fora de cogitação, posição reforçada pelo ministro Geddel Vieira Lima (Secretaria de Governo): “Temer já disse que não é candidato e eu estou dizendo que ele não será candidato. Para nós do PMDB, o mais importante é a nossa palavra”.

    O secretário-geral do PSDB, deputado Sílvio Torres (SP), chama a atenção para a ação do presidente Temer de não deixar que a disputa municipal contamine sua base de apoio no Congresso: “Desde que o PSDB se dispôs a ajudar o governo do PMDB, Temer deixou claro que não só ele, como membros do governo, não iam se envolver na disputa municipal. Estamos contando com isso”.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

      Receba Nossas Notícias

      Receba nossas newsletters

      Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

      Receba nossas notícias no celular

      WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

      Comentários [ 0 ]

      O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.