i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
proposta

Pastor, Takayama quer isentar religiosos e professores de crime de injúria e difamação

  • PorKatia Brembatti
  • 29/01/2016 14:23
Pastor e deputado, Takayama apresentou projeto de lei que isenta religiosos e professores de penalizações por crimes de injúria e difamação. | Albari Rosa/Gazeta do Povo
Pastor e deputado, Takayama apresentou projeto de lei que isenta religiosos e professores de penalizações por crimes de injúria e difamação.| Foto: Albari Rosa/Gazeta do Povo

Pastores, padres e professores, que no exercício da função, cometerem crimes de injúria e difamação podem ficar isentos de penalizações. A proposta foi feita por um deputado federal paranaense, Hidekazu Takayama (PSC), que também é pastor. O argumento é a defesa à liberdade de expressão, mas beneficia um grupo específico. Não raro, pastores são acusados de ofender outras religiões e homossexuais.

O projeto de lei foi apresentado na Câmara dos Deputados em 2005, mas voltou a tramitar recentemente. Uma comissão especial foi montada em novembro para analisar o projeto. A proposta foi sendo alterada, e o texto mais recente estabelece que não será crime a injúria ou difamação que for fruto da “manifestação de crença religiosa, em qualquer modalidade, por qualquer pessoa, acerca de qualquer assunto e a opinião de professor no exercício do magistério”.

Deputado Takayama explica briga com motorista no Congresso

Na última quarta-feira, o deputado Hidekazu Takayama (PSC-PR) trocou socos com um motorista do senador Delcídio Amaral (PT-MS). A reportagem da Gazeta do Povo conversou com o deputado para que ele desse sua versão da história.

+ VÍDEOS

Difamar alguém é atribuir um fato ofensivo à sua reputação. Já xingamentos configuram injúria. A legislação estabelece que só é crime quando há a intenção de ofender. O debate de ideias não configura crime.

O parlamentar pretende acrescentar um inciso ao artigo 142, da lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940. “O Código Penal já traz a previsão da exclusão do crime de injúria e difamação quando praticado por crítico literário ou artístico, bem como quando praticado por Advogado. Assim, nesse mesmo sentido necessitamos fazer a exclusão do professor e do Ministro religioso, uma vez que o professor dentro da sua atividade de ensino tem que permitir ao educando, na busca do pleno conhecimento, a análise crítica dos acontecimentos e dá história. Também devemos ressaltar o papel do Ministro religioso que segundo os valores da sua fé tem que se posicionar contra determinadas condutas que afrontam esses valores, e que podem ser considerados como ofensivos por outros que defendem posição divergente”, diz a justificativa do projeto.

A Gazeta do Povo procurou o deputado, mas ele não atendeu aos telefonemas. Há casos recentes de pastores que foram condenados por ofensas injuriosas ou difamatórias. A TV Record precisou exibir programas para compensar ataques a religiões de origem africana. Já o pastor Silas Malafaia está respondendo processo por ofender homossexuais no programa de TV “Vitória em Cristo”.

Polêmica

Veja a briga entre Takayama e motorista na entrada do Congresso

Deputado federal Takayama (PSC-PR) se envolve em confusão de trânsito com motorista de senador.

+ VÍDEOS

Takayama já se envolveu em polêmicas. Em outubro ele brigou com o motorista do senador Delcídio Amaral (PT-MS), na entrada do Congresso. A agressão ocorreu em uma área conhecida como chapelaria, uma entrada comum dos prédios da Câmara e do Senado. Takayama e o motorista discutiram por causa de uma vaga de estacionamento. O motorista, então, desferiu socos no rosto do parlamentar. O deputado ficou com o supercílio aberto.

O deputado alegou que foi agredido pelo motorista, mas um vídeo mostra o momento em que o parlamentar dá um tapa no rosto do motorista, que revida com um tabefe com a parte de trás da mão. À época, Takayama disse que, antes do tapa, o motorista deu um soco na boca de seu estômago – isso não aparece nas filmagens. Ele diz ainda que o motorista o agrediu verbalmente. O motorista também alegou ter sido agredido verbalmente. Em entrevista à Gazeta do Povo, o deputado alegou que o motorista estava possuído pelo demônio. “Foi uma agressão gratuita. Até hoje não consigo entender. Entre nós, cristãos, diria que só pode ser possessão demoníaca”, declarou.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.