i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Homem cordial

‘Personalidade’ do brasileiro não ‘condena’ o país ao atraso, diz historiador

  • PorFernando Martins
  • 09/12/2016 22:15

Há uma corrente no pensamento nacional que atribui a corrupção do país à personalidade do brasileiro, herdada dos portugueses. O historiador Sérgio Buarque de Holanda (1902-1982), no clássico Raízes do Brasil, lançou a tese da “cordialidade”: a emoção – o coração (cordis, em latim, daí o termo) –, muito mais que a razão, é o que marca a raça brasileira. E isso, transposto ao trato dos assuntos públicos, provoca a confusão entre o público e o privado que leva ao “jeitinho” e à corrupção. Pois o brasileiro, um “homem cordial”, acaba por reproduzir no Estado as relações de família, o ambiente regido pelas emoções por excelência. Aos amigos e parentes, tudo; aos outros, a lei.

Por meio desse pensamento, o problema brasileiro seria mais de personalidade do que de instituições. Professor de História da UFPR, Luiz Carlos Ribeiro concorda que atribuir a corrupção às instituições oculta o fato de que elas são feitas por pessoas. Mas ele também critica o “racialismo” da tese de Holanda, pois conduz à conclusão de que os problemas nacionais são fruto de uma genética que condenaria o país ao atraso. “Instituições são construções culturais e não genéticas”, diz.

Um argumento a favor disso é que os próprios portugueses atualmente não têm problemas tão sérios de desvios de dinheiro púbico como os brasileiros. Portugal ocupa a 28.ª posição no ranking dos países menos corruptos da Transparência Internacional; o Brasil é o 76.º.

A solução na educação

“Como então se resolve isso [a corrupção]? É difícil. Mas é com mudanças culturais. Com educação, boas escolas”, diz Ribeiro. E também com mais democracia. “Países menos corruptos são os mais democráticos.” E isso implica envolvimento da sociedade na vida em comunidade: desde o simples ato de cuidar de seu lixo até a escolha dos políticos, que não chegam ao poder sem o voto popular.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.