i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
“DIA D”

Petistas tentam evitar bate-boca durante defesa de Dilma

Senadores fazem reuniões neste domingo para organizar o principal dia do julgamento

  • PorCatarina Scortecci, correspondente
  • BRASÍLIA
  • 27/08/2016 16:31
Lindbergh Farias: tentativa de evitar briga no plenário. | Pedro França/Agência Senado
Lindbergh Farias: tentativa de evitar briga no plenário.| Foto: Pedro França/Agência Senado

Parlamentares contrários e favoráveis ao impeachment da presidente da República Dilma Rousseff (PT) fazem reuniões neste domingo (28) com o objetivo de discutirem estratégias para o principal dia do julgamento contra a petista, a segunda-feira (29).

As conversas se tornaram necessárias porque o clima no plenário da Casa se manteve quente até agora, especialmente nos dois primeiros dias de julgamento, quinta-feira (25) e sexta-feira (26), quando discussões acaloradas entre os senadores chegaram a provocar a suspensão temporária dos trabalhos. A preocupação dos políticos agora é garantir que o interrogatório da presidente Dilma no plenário do Senado, previsto para segunda-feira (29), seja “civilizado”.

“Nós sabemos que serão feitas perguntas duras, e também respostas duras, mas queremos um ambiente respeitoso. Clima de pugilato não nos interessa. A gente quer organizar as coisas para garantir um debate de conteúdo”, antecipa o senador Lindbergh Farias (PT-RJ), um dos defensores mais aguerridos da presidente Dilma.

O próprio petista já se envolveu em bate-boca no plenário e reconhece que a sessão de segunda-feira (29) “não será fácil”, mas reforça que o julgamento não pode fugir do controle. “Será uma sessão dramática, tensa, histórica. A Casa vai estar cheia, com convidados, inclusive com muitos deputados federais também. Mas precisamos de um acordo de procedimentos. Eu sei que não é simples, mas temos que tentar”, afirma ele.

Na avaliação do petista, um acordo com a oposição não é impossível. “Se eles passarem do ponto com a presidente Dilma, eles vão errar politicamente. Ela pode até perder a votação, mas terá o apoio da população”, acredita Lindbergh Farias. Já a oposição quer justamente se reunir no domingo (28) para definir o tom das perguntas à petista. Eles temem que ela adote o que chamam de “discurso de vítima”. Aliados da presidente Dilma defendem que ela faça um discurso inicial pessoal e emotivo, características que ela geralmente não utiliza em seus pronunciamentos.

Na sessão de segunda-feira (29), marcada para as 9 horas, ela deve ter 30 minutos para falar aos senadores, antes do interrogatório. O ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva pode acompanhar a visita dela ao Senado, mas a presença do petista ainda não estava confirmada até este sábado (27). Um grupo de cerca de 30 assessores da presidente Dilma também deve acompanhá-la no Senado. Até agora, as galerias da Casa têm sido ocupadas praticamente apenas por jornalistas que fazem a cobertura das sessões. O acesso do público sem credenciais específicas está proibido.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.