Lamborghini prata é retirada pela PF da Casa da Dinda: Collor é apaixonado por carros. | Pedro Ladeira/Folhapress
Lamborghini prata é retirada pela PF da Casa da Dinda: Collor é apaixonado por carros.| Foto: Pedro Ladeira/Folhapress

Investigado pela Operação Lava Jato, o ex-presidente da República e senador Fernando Collor Mello (PTB-AL) teve pelo menos três carros de luxo, todos importados, apreendidos pela Polícia Federal na manhã desta terça-feira (14), em Brasília. Os automóveis, uma Ferrari vermelha, um Porshe preto e uma Lamborghini prata, que somados passam de R$ 1 milhão, estavam na Casa Dinda, que Collor usou como residência oficial durante sua passagem pela presidência da República.

Casa da Dinda foi símbolo do noticiário sobre corrupção

O ex-presidente Collor fez da mansão particular, no Lago Norte, bairro nobre de Brasília, sua residência oficial

Leia a matéria completa

PF faz busca e apreensão na casa de Collor e de senador do PP

Ricardo Pessoa, da UTC, afirma ter pago R$ 20 milhões ao ex-presidente em troca da influência do senador em negócios com a BR Distribuidora e R$ 2 milhões a Ciro Nogueira

Leia a matéria completa

A apreensão faz parte da Operação Politeia e refere-se aos inquéritos que correm no STF e envolvem suspeitos com foro privilegiado. Por isso não estão na Justiça Federal no Paraná, em Curitiba, onde fica o QG das investigações sobre os desvios na Petrobras.

Politeia é o nome dado pelo filósofo ateniense Platão (428/27 a.C.-348/47 a.C.) à ideia de uma cidade em que as virtudes éticas deveriam imperar sobre a corrupção, como citado em seu clássico “A República”.

Cerca de 250 policiais federais participam da ação, que cumpriu 53 mandados de busca e apreensão. Os mandados foram cumpridos no Distrito Federal (12), na Bahia (11), Pernambuco (8), Alagoas (7), Santa Catarina (5), Rio de Janeiro (5) e São Paulo (5). Cerca de 250 policiais federais participam da ação.

PF apreende R$ 3,67 milhões na operação Politéia

Além dos carros de luxo encontrados na Casa da Dinda, de propriedade do senador Fernando Collor de Mello (PTB-AL), a Polícia Federal apreendeu nesta terça-feira (14) R$ 3,67 milhões em uma empresa em São Paulo, alvo da Operação Politeia. O dinheiro, em espécie, levou horas para ser contado. Os agentes não informaram qual investigado mantinha a quantia.

A PF deflagrou a Operação Politéia, que mira em políticos investigados no Supremo Tribunal Federal (STF) por suposto envolvimento no esquema de corrupção da Petrobras. Entre os alvos está o senador Fernando Collor (PMDB-AL) que, nas últimas semanas, tem dirigido ataques à Procuradoria-Geral da República.

Os agentes federais cumprem 53 mandados de busca e apreensão envolvendo os senadores Fernando Collor (PTB-AL), Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE) e Ciro Nogueira (PP-PI), o deputado federal Eduardo da Fonte (PP-PE), além do ex-ministro das Cidades Mário Negromonte (PP-BA) e o ex-deputado federal João Pizzolatti (PP-SC). As medidas foram requeridas pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

Defesa

O ex-presidente e senador Fernando Collor (PTB-AL) classificou como “invasiva e arbitrária” a operação da Polícia Federal. “A defesa do senador Fernando Collor repudia com veemência a aparatosa operação policial realizada nesta data em sua residência. A medida invasiva e arbitrária é flagrantemente desnecessária, considerando que os fatos investigados datam de pelo menos mais de dois anos, a investigação já é conhecida desde o final do ano passado, e o ex-presidente jamais foi sequer chamado a prestar esclarecimentos”, diz a nota publicada no Facebook de Collor.

O texto diz ainda que o senador já se colocou à disposição para ser ouvido pela Polícia Federal, mas que, por duas vezes, o depoimento foi desmarcado na véspera. “Medidas dessa ordem buscam apenas constranger o destinatário, alimentar o clima de terror e perseguição e, com isso, intimidar futuras testemunhas”, diz a nota.

Collor criticou ainda o que chamou de desrespeito às garantias individuais pelo “Estado policial”. “Se nem os membros do Senado Federal estão livres do arbítrio, o que se dirá do cidadão comum, à mercê dos Poderes do Estado”, afirmou.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]