Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Vida Pública
  3. PF indicia nora de Sarney na Operação Boi Barrica

Investigações

PF indicia nora de Sarney na Operação Boi Barrica

Teresa Murad, mulher de Fernando Sarney, filho do parlamentar, foi indiciada por lavagem de dinheiro, falsidade ideológica e por operar instituição financeira sem autorização

  • Agência Estado
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Acusada de lavagem de dinheiro, falsidade ideológica e por operar instituição financeira sem autorização, a empresária Teresa Murad, nora do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), foi indiciada ontem pela Polícia Federal (PF) no inquérito da Operação Boi Barrica. Mulher do empresário Fernando Sarney, filho do senador e responsável pelos negócios da família no Maranhão, Teresa figura ao lado do marido e da filha, Ana Clara, como sócia das empresas do grupo, investigadas por suspeita de transações financeiras ilegais no estado.

No dia anterior, Fernando já havia sido indiciado pelos mesmos crimes e mais formação de quadrilha e direção de instituição financeira irregular. O depoimento da empresária, na Superintendência da PF do Maranhão, em São Luís, durou mais de duas horas e seu teor não foi divulgado, mas Teresa teria entrado em contradição em vários momentos, levando o delegado Márcio Anselmo a fazer o indiciamento.

Além de Teresa, foi indiciada na quinta-feira Luiza de Jesus Campos, gerente da instituição financeira São Luís Factoring e Fomento Mercantil, empresa da família Sarney suspeita de ser pivô das irregularidades. O Estado de São Paulo tentou ouvir Tereza Murad, depois de seu depoimento na sede da Superintendência da PF na capital maranhense, mas ela não quis se manifestar.

A investigação foi desencadeada a partir de um saque de R$ 2 milhões em espécie que Fernando realizou em 2006. Interceptações telefônicas com autorização judicial e documentos apreendidos pela polícia mostram que o dinheiro seria para financiamento da campanha de Roseana Sarney, irmã de Fernando, ao governo estadual. Os dois negam as acusações. Por enquanto, segundo a PF a governadora ainda não figura no rol de investigados, que já somam 13 pessoas.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE