• Carregando...

Houve confusão na tarde desta terça-feira (20) no principal acesso à Câmara e ao Senado. A Polícia Militar (PM) do Distrito Federal fechou o acesso à Chapelaria e jogou gás de pimenta em centenas de manifestantes que faziam protestos em relação à apreciação dos vetos presidenciais relacionados ao projeto do Ato Médico.

No Salão Verde, estão, de um lado, policiais, que defendem a votação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 300, que estabelece o piso nacional para policiais militares e bombeiros, e de outro, médicos, que querem a derrubada do veto ao Projeto de Lei do Ato Médico, e profissionais de 13 categorias da área de saúde, que defendem a manutenção do veto.

Com cartazes em que defendem seus interesses, os manifestantes usam apitos e equipamentos que emitem som parecido com o da vuvuzela, usada pelas torcidas nos estádios da África do Sul, durante a Copa do Mundo de 2010.

Médicos e outros profissionais da área de saúde também ocupam a Chapelaria. Os plenários e corredores das comissões foram tomados por indígenas, que são contra a PEC que transfere ao Congresso o direito de homologar terras indígenas.

Do lado de fora, a Polícia Militar formou um cordão de isolamento para evitar a entrada de mais manifestantes no prédio do Congresso. Segundo os manifestantes, os policiais chegaram a usar spray de pimenta para conter os que tentavam entrar no prédio.

Ato Médico

A apreciação dos vetos presidenciais ao projeto do Ato Médico está, originalmente, programada para esta terça-feira, em sessão conjunta do Congresso. Essas sessões são realizadas no plenário da Câmara. Há minutos, enquanto centenas de manifestantes tentavam entrar no Congresso pela Chapelaria, outro grupo que protestava em relação ao Ato Médico ingressou no Parlamento por meio de outro acesso, localizado no Anexo 2 da Casa.

A Polícia Legislativa não conseguiu impedir o acesso desse outro grupo. Ao chegar ao Salão Verde, os manifestantes se uniram a outro grupo, que protesta a favor da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 300, e que havia chegado ao local ainda pela manhã. Essa PEC estabelece um piso nacional para policiais militares e bombeiros.

0 COMENTÁRIO(S)
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]