i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
lava jato

Presidente da UTC desiste de ouvir o ministro Jacques Wagner e dois deputados federais

Os advogados de Ricardo Pessoa mantiveram como testemunhas de defesa apenas os deputados federais Jorge Tadeu Mudalen (DEM) e Jutahy Magalhães (PSDB)na ação penal contra o executivo

  • PorKelli Kadanus
  • 18/03/2015 15:10

A defesa do presidente da UTC, Ricardo Pessoa, desistiu da oitiva do ministro da defesa Jacques Wagner e dos deputados federais Arlindo Chinaglia (PT) e Paulinho da Força (SD). Os três seriam ouvidos pela Justiça Federal de Curitiba como testemunhas de defesa na ação penal contra o executivo por irregularidades em contratos com a Petrobras. Agora devem ser ouvidos apenas os deputados Jorge Tadeu Mudalen (DEM) e Jutahy Magalhães (PSDB), em audiência que será realizada no próximo dia 10.

O juiz federal Sérgio Moro homologou a desistência das oitivas nesta terça-feira (17) e disse esperar que as demais testemunhas sejam relevantes para o processo. “Homologo a desistência, a ilustrar que essa prova sempre foi desnecessária e sempre foi protelatória, como também relevado pelo depoimento da testemunha já efetivamente ouvida”, diz um trecho do despacho.

A testemunha a que Moro se refere é o Secretário de Estado de São Paulo Arnaldo Calil Pereira Jardim, ouvido na segunda-feira (16). Segundo o juiz federal, Jardim “não tinha qualquer conhecimento dos fatos objeto da acusação”. “Espera-se que as demais testemunhas sejam relevantes, embora tenha este Juízo sérias dúvidas diante do já ocorrido”, diz Moro em relação aos depoimentos agendados para Mudalen e Magalhães.

Entenda o caso

A defesa de Ricardo Pessoa arrolou como testemunhas no processo contra o executivo na Justiça Federal o ministro da defesa e quatro deputados federais. Por se tratarem de figuras públicas, o juiz federal Sérgio Moro pediu que a defesa explicasse o motivo da oitiva, mas os advogados de Pessoa não se manifestaram.

“Apesar de a Defesa não lograr justificar a prova, resolvi, somente para evitar alegações de nulidade, deferir a oitiva das referidas autoridades”, disse Moro no despacho desta terça-feira (17).

A defesa do executivo também havia arrolado como testemunha o ex-ministro das Comunicações Paulo Bernardo, mas também desistiu da oitiva depois que ele foi localizado para ser intimado.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.