i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Brasília

Preterido na reforma ministerial, PMDB ameaça abandonar Dilma

Partido pretende antecipar de junho para abril a convenção nacional que discutirá o caminho da legenda nas eleições presidenciais deste ano

  • PorFolhapress e Agência Estado
  • 14/01/2014 12:05

Irritada com a resistência da presidente Dilma Rousseff em dar mais um ministério para o PMDB, a cúpula do partido resgatou na segunda-feira (13) uma ideia antiga: antecipar de junho para abril a convenção nacional que discutirá o caminho da legenda nas eleições presidenciais deste ano. Na prática, a antecipação do calendário guarda uma ameaça velada: o risco de desembarque do PMDB do governo.

O Palácio do Planalto ainda vê o gesto como blefe e, ao menos por ora, duvida de uma saída drástica como essa. O partido tem cinco ministérios (Minas e Energia, Previdência, Turismo, Agricultura e Secretaria de Aviação Civil) e quer ganhar a Integração Nacional. Em conversa preliminar na noite desta segunda com o vice-presidente Michel Temer (PMDB-SP), Dilma afirmou que precisa contemplar outros aliados, como PTB, Pros e PSD, e evitar que eles migrem para o campo da oposição.

No encontro, a presidente disse que o PSD de Gilberto Kassab está subrepresentado, e que PTB e Pros ainda não tem cargos no primeiro escalão. Ambos ficaram de falar novamente. Ao deixar a reunião na quarta, Temer seguiu para sua residência oficial, onde se encontrou com integrantes da cúpula peemedebista para comunicá-los da posição do Planalto sobre a reforma ministerial.

Nos bastidores, diversos integrantes da legenda começaram a circular a proposta de antecipar a convenção partidária, alternativa enfaticamente negada pelo vice em dezembro, quando os mesmos rumores começaram a circular.

No mês passado, durante encontro com jornalistas, ele havia dito que, se o PMDB seguisse esse caminho, não haveria volta. À época, afirmou que a legenda não poderia antecipar a convenção, desembarcar do governo, ser atendido e, então, fazer outra convenção para voltar. Ele também afirmou, à época, que tal manobra poderia custar a vice ao PMDB, o que não seria vantajoso para a sigla e muito menos para ele.

Temer chama peemedebistas para reunião sobre reforma

Nesta terça (14), o vice-presidente e líder licenciado do PMDB, Michel Temer, passou o dia convocando os dirigentes nacionais da sigla a participar da reunião de nesta quarta-feira (15) à noite, em Brasília, para discutir uma posição oficial do PMDB sobre a situação. Embora não escondam o incômodo, os peemedebistas estão evitando falar em crise e rompimento com o governo.

"(É) hora de muita responsabilidade e de esperar", deu o tom o presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves (RN), que se juntará ao presidente do Senado, Renan Calheiros (AL), e aos líderes do PMDB no Congresso para conversar sobre as pretensões do partido na Esplanada. Atualmente, o PMDB controla cinco ministérios.

Dilma informou nesta segunda que pretende manter o Ministério das Cidades nas mãos do PP, o que contrariou os peemedebistas. Além do ministro das Cidades, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), que concorrerá a uma vaga na Câmara dos Deputados este ano, Gleisi Hoffmann (Casa Civil) e Alexandre Padilha (Saúde) devem deixar o governo nos próximos dias. A saída destes ministros dará largada a mudanças nos ministérios, oportunidade em que a presidente poderá atender às "demandas" dos partidos aliados.

O clima no PMDB é o pior possível. Conhecido pelo apetite por cargos, a ameaça de desembarque do governo é vista com ceticismo no Executivo. E é justamente com isso que Dilma conta. O PMDB teria dificuldades de migrar para a campanha de Eduardo Campos (PSB-PE) à Presidência da República, diante da resistência da ex-senadora Marina Silva em receber uma legenda tida, em sua maior porção, como fisiológica. No PSDB, com a provável candidatura do senador Aécio Neves (MG), o ingresso é visto como mais fácil. O rompimento, porém, é uma decisão difícil.

O objetivo do governo é não perder apoio de legendas hoje na base do governo. Quanto mais partidos na chapa de um candidato, mais tempo de TV esse candidato terá para fazer sua campanha. O cálculo de Dilma é justamente esse: ampliar sua hegemonia para divulgar seu programa de TV.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.