Renato Duque, ex-diretor da Petrobras | Aniele Nascimento/ Gazeta do Povo
Renato Duque, ex-diretor da Petrobras| Foto: Aniele Nascimento/ Gazeta do Povo

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, enviou na última sexta-feira ao Supremo Tribunal Federal (STF) parecer favorável a nova prisão do ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque. Em novembro de 2014, Duque foi preso na sétima fase da Operação Lava Jato, mas foi solto por meio de uma liminar concedida pelo ministro Teori Zavascki. As informações são da Agência Brasil.

No parecer, que será analisado no julgamento do mérito da decisão, Janot afirma que existe o risco de Duque fugir do país para escapar do julgamento.

"Parece claro que o paciente tem inúmeras possibilidades de se evadir por inúmeros meios e sem o mínimo controle seguro, especialmente se consideradas as continentais e incontroladas fronteiras brasileiras", justificou Janot.

Em despacho assinado no ano passado, o juiz federal Sérgio Moro, responsável pelas investigações da Lava Jato, afirmou que Duque mantém "verdadeira fortuna no exterior", razão pela qual o ex-diretor deveria ficar preso. A defesa de Renato Duque nega as acusações.

No parecer, o procurador também defende a competência de Moro para relatar os processos da investigação da Lava Jato.

A relatoria de Moro é questionada pela defesa dos investigados, para os quais a investigação deve ser conduzida pelo Supremo, tendo em vista a presença de parlamentares citados nos depoimentos de delação premiada do ex-diretor de Abastecimento Paulo Roberto Costa e do doleiro Alberto Youssef.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]