i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Operação calicute

Propina pagou de vestidos para a primeira-dama a cachorro-quente de festa do filho de Cabral

Dinheiro desviado pelo esquema de corrupção era chamado de “oxigênio” pelo grupo do ex-governador

    • Das agências
    • 17/11/2016 10:48
    Cabral e a mulher dele, Adriana Ancelmo: propina pagou seis vestidos de festa para a ex-primeira-dama | João Laet / Agência O Dia
    Cabral e a mulher dele, Adriana Ancelmo: propina pagou seis vestidos de festa para a ex-primeira-dama| Foto: João Laet / Agência O Dia

    O “oxigênio” – como era chamada a propina cobrada de empreiteiras no esquema liderado pelo ex-governador Sérgio Cabral (PMDB-RJ) – foi usado para bancar desde bens e serviços de luxo até mercadorias corriqueiras para a família do peemedebista. Na lista investigada pela Operação Calicute, ação conjunta das força-tarefa da Lava Jato no Paraná e no Rio de Janeiro, constam viagens internacionais, idas a restaurantes sofisticados, compras de joias, aluguel de lanchas e helicóptero.

    As investigações apontam que também foram pagos com o dinheiro de propina seis vestidos de festa para a mulher de Cabral (Adriana Ancelmo), blindagem de veículos, móveis de escritório, parcela de compra de carro e até o cachorro-quente numa festa do filho de Cabral, Mateus. A mulher de Cabral foi alvo de condução coercitiva na manhã desta quinta-feira para prestar depoimento.

    Os seis vestidos de festa para Adriana custaram, segundo o Ministério Público Federal (MPF), R$ 57.038,00. O valor dos trajes, segundo os investigadores, foi dividido em sete vezes. Em 7 de janeiro de 2014, Adriana Ancelmo fez quatro depósitos, um de R$ 5.238,00 e três de R$ 9.900,00. Em março seguinte foram três depósitos: um no dia 19 no valor de R$ 6.100,00 e dois no dia 20 nos valores de R$ 7 mil e de R$ 9 mil. O Ministério Público Federal chamou atenção para os pagamentos fracionados com valores abaixo de R$ 10 mil.

    “O fracionamento dos depósitos em valores inferiores a R$ 10 mil indica que os pagamentos foram deliberadamente estruturados para evitar a necessidade de identificação do depositante e escapar à fiscalização”, diz a força-tarefa.

    Na investigação, os procuradores destacaram alguns pagamentos. Em 7 de maio de 2014, Adriana Ancelmo comprou móveis no valor de R$ 33.602,43. Em 12 de agosto de 2015, a ex-primeira-dama pagou R$ 25 mil em espécie - de um total de R$ 40 mil -–em dois mini buggys.

    Entre dezembro de 2009 e julho de 2014, a mulher de Cabral adquiriu eletrodomésticos por um valor total de R$ 110.262,00 e pagou R$ 7.995,00 em espécie, R$ 55.987,00 por meio de depósitos em espécie em conta corrente, R$ 9.925,00 por meio de boleto bancário pago em espécie e o restante em cheques.

    Mesmo preso, Garotinho alfineta Cabral

    Leia a matéria completa

    Falta de cédulas

    Segundo as investigações, o esquema operava preferencialmente com cédulas de dinheiro, para evitar o rastreamento da propina. Em outubro de 2008, por exemplo, Carlos Miranda, operador de Cabral e alvo de mandado de prisão preventiva da Operação Calicute nesta quinta-feira (17), chegou a ir a São Paulo com Alberto Quintaes, diretor responsável pelo pagamento da propina da Construtora Andrade Gutierrez, apenas para sacar dinheiro em espécie. Isso porque as agências bancárias do Rio não tinham estoque suficiente de cédulas naquela momento.

    A Operação Calicute estima que o esquema movimentou pelo menos R$ 224 milhões para o grupo liderado por Cabral.

    O caso do anel

    A mulher de Cabral, Adriana Ancelmo já havia se envolvido recentemente em outra polêmica. Em depoimento, o empreiteiro Fernando Cavendish, dono da Construtora Delta, contou ainda que deu de presente para Adriana um anel de R$ 800 mil em julho de 2009, durante uma viagem a Mônaco. De ouro branco e brilhantes, o anel foi pago no cartão de crédito do empresário.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

      Receba Nossas Notícias

      Receba nossas newsletters

      Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

      Receba nossas notícias no celular

      WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

      Comentários [ 0 ]

      O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.