i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
povo na rua

Protestos contra corrupção e pró Lava Jato em 205 cidades encurralam o Congresso

Desfiguração das “10 medidas contra a Corrupção” na Câmara e tentativa de acelerar votação no Senado inflamaram os manifestantes. Renan Calheiros foi o principal alvo

  • PorNaiady Piva, com agências
  • 04/12/2016 20:07
No sentido horário: protestos em Curitiba, São Paulo, Brasília e Rio de Janeiro | Marcelo Andrade/ Gazeta do Povo - Yasuyoshi Chiba e Miguel Schincariol/AFP - Marcello Casal Jr/Agência Brasil
No sentido horário: protestos em Curitiba, São Paulo, Brasília e Rio de Janeiro| Foto: Marcelo Andrade/ Gazeta do Povo - Yasuyoshi Chiba e Miguel Schincariol/AFP - Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Os gritos de “Fora, Renan” traduziram o sentimento da população que foi às ruas protestar contra a corrupção, neste domingo (4). O movimento Vem Pra Rua estima que as manifestações ocorreram em 205 cidades, distribuídas em 18 estados mais o Distrito Federal. O estopim foi a aprovação, na calada da noite pela Câmara dos Deputados, de uma versão desfigurada do pacote anticorrupção proposto pelo Ministério Público Federal (MPF). Renan Calheiros (PMDB-AL), presidente do Senado, é visto como peça-chave para reverter as alterações. E é um dos principais algozes dos manifestantes.

Veja fotos do protesto em Curitiba

Pesa contra Renan o fato de que ele próprio é alvo de 11 investigações no Supremo Tribunal Federal (STF), entre elas oito relacionadas à Lava Jato. Além disso, ele se tornou réu esta semana, em acusação de peculado sem nenhuma relação com a operação. Calheiros ganhou até uma versão boneco inflável gigante, vestido com roupas de presidiário, na Avenida Paulista, em São Paulo.

Confira a cobertura em tempo real dos protestos pelo Brasil

Também sobrou para o presidente da Câmara. O deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) presidiu a sessão que aprovou a versão estraçalhada do pacote anticorrupção, na madrugada de quarta-feira (30). Além de excluir a criminalização do enriquecimento ilícito e a recompensa para quem denuncia crimes de corrupção, os deputados incluiram uma emenda que tipifica o crime de abuso de autoridade para magistrados e promotores de Justiça. A medida foi vista como um ataque direto à Operação Lava Jato.

Em frente à Justiça Federal, curitibanos prestam “apoio irrestrito” à Lava Jato

Leia a matéria completa

“As ruas hoje querem mandar um recado ao Senado Federal, entre tantas outras coisas. A proteção irrestrita à Operação Lava Jato. Não mexam com a Lava Jato! Ou a população se mobiliza violentamente. Temos que passar o Brasil à limpo”, resumiu a líder institucional do Vem Pra Rua em Curitiba, Gislaine Masoller. O movimento estima que 15 mil pessoas foram ao protesto, neste domingo, em frente à sede da Justiça Federal.

Líder nacional do movimento, Rogério Chequer abriu o protesto, na capital paulista, pedindo a saída de Renan Calheiros da presidência do Senado. “Isso é apenas um aperitivo do que faremos hoje. Seu método velho de fazer política acabou”, disse ele. “Acabou o impeachment e o povo está na rua, não vamos sair”.

No Rio de janeiro, pelo menos 600 mil foram à orla da praia de Copacabana, segundo os manifestantes. Agentes da segurança que acompanharam o protesto estimaram, extraoficialmente, 400 mil pessoas. Calheiros, Maia e o ex-presidente Lula foram alvos prioritários. Mas também sobrou para o presidente Michel Temer. “A imundície chegou a um ponto insuportável. Não adianta deixar o Temer, porque ele é vice da Dilma”, disse o militar reformado Hélio Marcus, da Força Aérea Brasileira.

Além da crítica ao Congresso, a defesa da Operação Lava Jato e de seus personagens ganhou força.

“Fora, Temer”?

As críticas ao presidente Michel Temer (PMDB) não ganharam tom de protagonismo nos protestos deste domingo. Mas surgiram aqui e acolá. Gislaine Masoller, do Vem Pra Rua em Curitiba, explica que houve um acordo entre todos os organizadores. “Não estamos nas ruas pedindo ‘Fora, Temer’, este não é o mote. Não é o momento. Ainda temos um Senado, um regime democrático”.

Por outro lado, a ideia é mandar um recado ao presidente. Se o pacote anticorrupção montado pela Câmara passar impune pelo Senado, segue para sanção presidencial. E, aí, “se o presidente não atender ao clamor da população, é um segundo momento”.

Menos manifestantes nas ruas

O número de pessoas que foi às ruas neste domingo foi reduzido, em comparação às manifestações que pediram o afastamento de Dilma Rousseff. No auge, em março deste ano, os organizadores estimaram que 3,5 milhões foram às ruas contra a ex-presidente. Em Curitiba, foram 200 mil na época, contra 15 mil neste domingo.

Para a líder do Vem Pra Rua em Curitiba, Gislaine Masoller, a comparação não faz sentido. “O impeachment é uma coisa que se arrastava há muito tempo, foi crescendo no imaginário popular”. Já o ataque às medidas anticorrupção propostas pelo MPF foi de ‘sopetão’. E a organização dos protestos foi feita às pressas. “Eram cento e poucas cidades no início da semana, e chegamos a 205”.

Mesmo assim, o número de pessoas que foi para as ruas foi muito menor do que se esperava, analisa o cientista político Emerson Cervi, da UFPR. “Em grande medida porque as grandes organizações que estavam apoiando as manifestações deixaram de apoiar, em especial as presidenciais”.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.