i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
falhas

PT em SP pretende apontar cinco áreas "frágeis" do PSDB

Campanha deve buscar falhas dos adversários em educação, segurança, saúde e transporte. Além disso, aposta no desgaste político dos tucanos

  • Poragência estado
  • 20/04/2010 17:17

Na campanha para tentar eleger o senador Aloizio Mercadante governador de São Paulo, o PT priorizará cinco pontos considerados "frágeis" do PSDB, há 15 anos no comando do governo do Estado. No documento com as diretrizes da campanha, previsto para ser discutido e aprovado nesta semana, o PT apontará as falhas dos adversários nas áreas de saúde, educação, segurança pública, transporte e desenvolvimento regional.

"O PSDB está dando sinais de desgaste no governo de São Paulo. Os parâmetros nessas áreas vão mal. O dinamismo econômico poderia ser melhor, a educação está medíocre e a segurança pública é lamentável", afirmou o prefeito de Osasco, na região oeste da Grande São Paulo, Emídio de Souza (PT), coordenador da campanha de Mercadante.

Na educação, o PT pretende centralizar as críticas na recente greve dos professores da rede pública e na política de pagar bônus salariais à categoria, cujo objetivo, na avaliação do partido, é dividir a classe. "A situação é grave. A maioria dos professores está há cinco anos com apenas 5% de reajuste. Aqueles que não conseguem 20% de aumento em provas de avaliação só podem prestar outra a cada quatro anos. Isso dividiu os professores", avaliou o pré-candidato do PT ao governo paulista.

A polícia é outra categoria insatisfeita na qual a sigla pretende buscar votos no Estado. Para combater os tucanos, a agremiação usará as constantes paralisações e ameaças de greves de policiais durante a gestão do ex-governador José Serra (PSDB) e indicadores que demonstram o aumento dos índices de criminalidade no Estado, principalmente em cidades do interior.

O PT vai propor o resgate da imagem da polícia, a exemplo do que foi feito com a Polícia Federal (PF) durante o mandato de Lula. "Precisamos equipar a polícia com tecnologia avançada e aumentar salários. O delegado de Polícia Civil de São Paulo tem o salário mais baixo do País", afirmou o líder do partido na Assembleia Legislativa (Alesp), Antonio Mentor. "Falta capacidade de diálogo ao governo tucano e sobra autoritarismo", disse Emídio de Souza.

Saúde e transportes

Na área de saúde, a proposta é bater de frente contra a recusa do governo estadual em não assinar convênios com o federal para o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e a construção das Unidades de Pronto Atendimento (UPAs). No Estado, a administração federal tem feito acordos diretamente com as prefeituras para adotar os programas. "São Paulo não tem uma relação republicana na área da saúde", criticou Mercadante. "É o único Estado que não assinou os convênios", disse Mentor.

No setor de transporte, a sigla atacará em duas frentes: a situação caótica do trânsito na capital paulista e região metropolitana e as dificuldades nas obras feitas pelos tucanos para tentar reduzir esse obstáculo. Falhas e atrasos nas obras de ampliação do metrô e na construção do Rodoanel Mário Covas serão expostas na campanha.

Os petistas querem propor ainda políticas de desenvolvimento regional para o interior, justamente onde tem mais força o ex-governador, ex-secretário de Desenvolvimento do Estado e pré-candidato Geraldo Alckmin (PSDB), adversário de Mercadante. "O crescimento econômico está centralizado na Grande São Paulo e nas regiões metropolitanas de Campinas e da Baixada Santista", avaliou o senador. "Sem o fomento ao desenvolvimento regional, vários municípios paulistas sofreram evasão demográfica."

"Estafa"

Além dos pontos estruturais, a agremiação aposta ainda que, politicamente, há uma "estafa" do eleitor em relação aos tucanos. "Não tenho dúvida que o povo paulista já demonstra estafa em relação ao PSDB. Eles não têm nada de novo para apresentar ao eleitor", disse o líder do PT na Alesp. "É o mesmo grupo político no comando de São Paulo desde 1983", completou Mercadante, incluindo o período dos governadores do PMDB, André Franco Montoro (1983-1987), Orestes Quércia (1987-1991) e Luiz Antônio Fleury Filho (1991-1995), que precederam os tucanos.

Sobre o desempenho de Alckmin nas pesquisas eleitorais, bem à frente do pré-candidato do PT, Emídio de Souza avalia que o cenário é reversível. "Alckmin não é imbatível. Só é mais conhecido. Em 2008, ele começou a campanha em primeiro lugar para a Prefeitura, mas terminou em terceiro", avaliou.

As diretrizes da campanha petista serão avaliadas na reunião do diretório estadual do partido, quinta e sexta-feira. O texto final será apresentado no sábado, durante encontro estadual para oficializar as pré-candidaturas de Mercadante a governador e da ex-ministra do Turismo Marta Suplicy a senador, evento que deve contar com a presença de Lula e da pré-candidata a presidente Dilma Rousseff.

As propostas para essas diretrizes serão ainda discutidas em 12 seminários temáticos a serem realizados o Estado a partir de maio. As discussões servirão de base para o programa de governo do PT, previsto para ser apresentado em agosto.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.