Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
 | HUGO HARADA/HUGO HARADA
| Foto: HUGO HARADA/HUGO HARADA

Levantamento do instituto Paraná Pesquisas, encomendado pela Gazeta do Povo, mostra o secretário estadual de Desenvolvimento Urbano, Ratinho Jr. (PSC), na liderança da corrida eleitoral para a prefeitura de Curitiba em 2016, com 26,4% das intenções de voto. O atual prefeito, Gustavo Fruet (PDT), aparece em segundo lugar com 12,7%, tecnicamente empatado com o deputado estadual Requião Filho (PMDB), com o secretário estadual de Segurança Pública, Fernando Francischini (SD), e com o ex-prefeito Luciano Ducci (PSB).

CAIXA ZERO: Vereadores dizem que Fruet está “despencando”. Mas prefeito chega e o clima muda

FAVORITOS

Os pontos fortes e fracos dos principais pré-candidatos à prefeitura de Curitiba:

Ratinho Jr. (PSC)

Na pesquisa, aparece na liderança. Tem exposição constante na mídia, é “campeão de votos” – fez 300 mil votos para deputado estadual – e possui forte “recall” de seu eleitorado. Porém, a pesquisa mostra que não consegue romper a rejeição do eleitorado de classe média e alta – seu calcanhar de Aquiles no 2.º turno de 2012. Além disso, pode preferir “se poupar” para a disputa ao governo do estado em 2018.

Gustavo Fruet (PDT)

Atual prefeito, aparece mal na pesquisa, embolado no “pelotão do meio”. Pesquisa recente mostra, também, que sua aprovação está em 30%. Para virar o jogo, precisa começar as grandes obras que havia planejado, como o metrô, e torcer para uma melhora no quadro econômico do país. Caso se candidate, tem como trunfo a máquina da prefeitura – que não pode ser subestimada na campanha.

Requião Filho (PMDB)

Pode seguir a trajetória do pai, que ganhou destaque no primeiro mandato como deputado estadual e se cacifou para a prefeitura de Curitiba, em 1985. O filho ganhou visibilidade com a greve dos professores e não tem nada a perder se participar da disputa. Entretanto, o estilo “ame ou odeie” do pai pode representar uma rejeição alta demais para um eventual 2.º turno. Precisa, antes de tudo, unificar o PMDB.

Francischini (SD)

O episódio do camburão dos deputados e sua participação em um governo mal avaliado parecem não ter afetado negativamente o secretário – pelo contrário, aparece melhor do que em dezembro. O estilo “xerifão” agrada a parte do eleitorado, mas atrai rejeição de outros segmentos. O alto número de pré-candidatos em seu grupo político pode afastá-lo da disputa.

Luciano Ducci (PSB)

Derrotado em sua tentativa de reeleição, conseguiu boa votação para deputado federal e pode se apresentar como o “anti-Fruet”, caso a popularidade do atual mandatário continue em baixa. Por outro lado, sua forte ligação com Richa pode prejudicá-lo, caso a avaliação do governo estadual continue em baixa.

A pesquisa reflete o impacto da queda de popularidade de Fruet e de outros governantes. Além disso, dá indícios de possíveis concorrentes com fôlego para disputar o cargo – como Francischini e Requião.

Desaprovação de Fruet sobe 15 pontos e atinge 65%

Apesar de aparecer isolado na liderança, os números não são tão bons para Ratinho Jr. Em dezembro, pesquisa do mesmo instituto mostrava o secretário com 38% das intenções de voto – os concorrentes no cenário pesquisado eram quase os mesmos. Outro detalhe: assim como nas eleições de 2012, os votos de Ratinho estão concentrados nos eleitores de escolaridade mais baixa. Naquela ocasião, ele terminou o primeiro turno na liderança, mas não conseguiu vencer a rejeição da classe média e perdeu para Fruet.

Para o atual prefeito, a situação é ainda pior: ele aparece “embolado” com outros concorrentes. Vale lembrar que pesquisa do mesmo instituto, divulgada na segunda-feira (9), mostrava o pedetista com 65% de desaprovação entre os eleitores de Curitiba.

Terceiro colocado em 2012, Luciano Ducci (PSB) também não aparece bem. Na pesquisa de dezembro, ele chegou a fazer 17% em um dos cenários pesquisados – ficando na segunda colocação em um cenário sem Ratinho. Na pesquisa atual, ele oscila entre 13,3% e 8,3%, dependendo dos adversários.

Por outro lado, Requião Filho e Francischini ganharam pontos e despontam como possíveis concorrentes de peso, assim como Ney Leprevost (PSD) e Rubens Bueno (PPS).

Fotografia do momento

É preciso considerar que a pesquisa é apenas uma fotografia do momento. Primeiro, é impossível prever como estará a política paranaense em outubro do ano que vem. A situação econômica do país pode melhorar ou piorar, assim como a avaliação de Fruet e de seus concorrentes.

Outro fator a ser considerado é que Ratinho, Francischini, Ducci, Leprevost e Bueno, hoje, fazem parte do mesmo grupo político – logo, dificilmente sairão todos candidatos ao mesmo tempo.

Números trazem ‘alerta’ para Fruet e Ratinho

Leia a matéria completa

Por outro lado, Requião Filho encontra resistências internas no próprio PMDB de Curitiba. Vale lembrar ainda que, na pesquisa espontânea, quase 80% dos eleitores disseram que não sabem ainda em quem votar – ou seja, o jogo está totalmente aberto.

Metodologia

O levantamento foi realizado em Curitiba pelo Paraná Pesquisas, entre 3 e 7 de março. Foram entrevistadas 819 pessoas maiores de 16 anos. A margem de erro é de 3,5% e o grau estimado de confiança, 95%.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]