i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
no afogadilho

Renan tenta articular urgência para “Dez Medidas”, mas manobra é barrada

Existência do requerimento de pedido de urgência para a análise do pacote anticorrupção pegou de surpresa boa parte dos senadores

  • PorCatarina Scortecci, correspondente
  • Brasília
  • 30/11/2016 18:31
O Plenário do Senado nesta quarta-feira (30) | Waldemir Barreto/Agência Senado
O Plenário do Senado nesta quarta-feira (30)| Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado

Apenas horas depois de a Câmara dos Deputados aprovar uma versão ao projeto de lei das “Dez Medidas Contra a Corrupção”, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), articulou a votação da matéria pelos senadores ainda na noite desta quarta-feira (30). Surpreendidos, um grupo de parlamentares protestou e a manobra acabou derrubada.

Por volta das 19 horas, Renan anunciou na sessão a existência de um requerimento de pedido de urgência para votação do projeto de lei 4850/2016. O requerimento foi assinado pelo PMDB, PSD e PTC. Senadores não entenderam o motivo da pressa, justamente em um dia marcado por críticas às alterações feitas ainda na madrugada pela Câmara dos Deputados na matéria capitaneada pelos investigadores da Operação Lava Jato.

De Brasília: Requião vota a favor de manobra para acelerar trâmite

Leia o post completo

Diante dos protestos, Renan acabou aceitando a votação nominal do requerimento e 44 senadores derrubaram a urgência, contra 14 votos e uma abstenção. Nenhum parlamentar se manifestou publicamente em defesa da urgência e Renan repetiu que não era o “dono do requerimento”. O presidente do Senado, contudo, acabou sendo responsabilizado pela operação. O senador Cristovam Buarque (PPS-DF) chegou a afirmar que Renan cometia “abuso de autoridade”.

Ao pedir que os pares votassem contra o requerimento, o líder do governo Temer na Casa, Aloysio Nunes (PSDB-SP), também admitiu preocupação com os desdobramentos para o próprio presidente da República, Michel Temer (PMDB). “E não quero também que isso chegue logo às mãos do presidente, para ele sancionar ou vetar. Temos uma agenda econômica pela frente”, disse Nunes.

“Eu não acredito que o Temer tem coragem de sancionar. Seria a desmoralização completa nossa e dele. Não faz sentido a urgência deste projeto, nessas condições, neste momento”, reforçou Cristovam. Os senadores Ronaldo Caiado (DEM-GO), Alvaro Dias (PV-PR), Ricardo Ferraço (PSDB-ES) e Randolfe Rodrigues (Rede-AP) também se manifestaram com veemência contra a manobra.

Com a derrubada do requerimento, o projeto de lei segue para seu trâmite normal na Casa. Ou seja, a matéria ainda será analisada pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) antes de ser votada no plenário.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.