i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Lava Jato

Richa e Gleisi aparecem em planilha de pagamentos da Odebrecht

  • PorKatna Baran
  • 23/03/2016 17:51
Beto Richa e Gleisi Hoffmann são citados em contabilidade paralela da Odebrecht. | Jonathan Campos/Gazetas do Povo
Beto Richa e Gleisi Hoffmann são citados em contabilidade paralela da Odebrecht.| Foto: Jonathan Campos/Gazetas do Povo

Os nomes do governador Beto Richa (PSDB) e da senadora Gleisi Hoffmann (PT) aparecem nas tabelas de repasses da Odebrecht, apreendidas na 23ª fase da operação Lava Jato, denominada de Acarajé. As planilhas foram encontradas em endereços ligados a Benedicto Barbosa da Silva Júnior, presidente da Odebrecht Infraestrutura, e citam cerca de 200 políticos de diversos partidos.

A referência ao governador do Paraná aparece em um pagamento para as eleições de 2010. No campo “nome do candidato” consta PSDB – Diretório Estadual do PR. Como beneficiário está o nome de Beto Richa. Há dois campos financeiros: “valor” (R$ 200 mil) e “pagamento” (R$ 160 mil) . Há a indicação de uma data de pagamento, 24 de setembro de 2010.

Na prestação de contas do diretório estadual do PSDB entregue à Justiça Eleitoral, constam três doações nesta mesma data: R$ 160 mil pela empresa Leyroz de Caxias Indústria Comercial & Logística Ltda., R$ 40 mil pela empresa Praiamar Indústria Comércio & Distribuição Ltda. e R$ 120 mil pela Metropolitana Vigilância Comercial e Industrial S/A.

Não é possível estabelecer relação entre a planilha da Odebrecht e as doações registradas na prestação de contas do PSDB do Paraná.

Planilha cita repasse para o governador Beto Richa

Já a senadora petista aparece em outra planilha apreendida pela operação Lava Jato em endereços do executivo da Odebrecht. No documento, constam repasses para campanhas municipais, mas não há registro do ano em que os pagamentos teriam sido feitos. Gleisi foi candidata à prefeitura de Curitiba em 2008 e ao governo do estado em 2014. Desde 2010, ela ocupa uma cadeira no Senado.

O nome da senadora aparece acompanhado do seu marido, o ex-ministro das Comunicações Paulo Bernardo. No campo da tabela “valor total” consta R$ 1.500. Como todos os outros valores da tabela são baixos, é possível presumir que essa importância deve ser multiplicada por mil, chegando a R$ 1,5 milhão em repasses.

Outra tabela mostra pagamento a Gleisi Hoffmann

As planilhas, anexadas pela Polícia Federal (PF), foram mantidas no ar no sistema eletrônico de processos da Justiça Federal do Paraná durante algumas horas entre essa terça e quarta-feira. Não é possível dizer se a Odebrecht possui ligação com os repasses mencionados nas planilhas nem que eles sejam ilegais.

Na tarde desta quarta-feira (23), o juiz Sergio Moro decretou o sigilo sobre o material e determinou que o Ministério Público Federal (MPF) se manifeste sobre a remessa das planilhas ao Supremo Tribunal Federal (STF), já que são citados diversos políticos com prerrogativa de foro.

Fruet, Ratinho e Ducci aparecem em contabilidade paralela da Odebrecht

Leia a matéria completa

Apesar do reestabelecimento do sigilo, diversos veículos de imprensa já haviam divulgado seu conteúdo.

Contas de campanha

Em uma consulta à prestação de contas de Beto Richa e Gleisi Hoffmann no site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), não constam registros oficiais de doações de campanha da Odebrecht para ambos os políticos.

A consulta sobre o governador foi feita sobre a campanha de 2010. Já as contas eleitorais da senadora foram pesquisadas desde 2008. Paulo Bernardo, que foi deputado federal, também não recebeu oficialmente da empresa, conforme prestação de contas de campanha de 2002.

Outro lado

Procurada, a assessoria do PSDB do Paraná informou que o diretório do partido e a campanha de Beto Richa ao governo em 2010 não receberam doações da Odebrecht. A legenda afirma que há doações eleitorais registradas no dia 24 de setembro de 2010, efetuadas pelas empresas citadas, conforme prestação de contas aprovada pela Justiça Eleitoral.

A assessoria da senadora Gleisi Hoffmann afirmou por meio de nota que os recursos devem ser referentes a doações da Odebrecht para as campanhas eleitorais municipais de 2012, repassadas via Diretório Nacional do PT ao Diretório Estadual e aos Diretórios Municipais.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.