i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Código Florestal

Ruralistas recorrem ao Supremo contra MP

Na avaliação da Frente Parlamentar da Agropecuária, composta por 209 deputados e 13 senadores, a MP é inconstitucional

  • PorFolhapress
  • 06/06/2012 11:18

A Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) entrou nesta quarta-feira (6) com um mandado de segurança no Supremo Tribunal Federal (STF) para impedir a tramitação no Congresso da Medida Provisória 571 de 2012, que altera o Código Florestal sancionado no final do mês passado pela presidente Dilma Rousseff.

A justificativa é que o governo não poderia editar uma MP sobre um tema que já foi deliberado pelo Congresso antes de que os vetos presidenciais sobre o tema sejam analisados por deputados e senadores.

Outros argumentos são que parte da MP restaura texto aprovado pelo Senado, mas rejeitado pela Câmara e ainda altera pontos sancionados pela presidente Dilma Rousseff.

Na avaliação da frente, composta por 209 deputados e 13 senadores, a MP é inconstitucional. "Isso é uma afronta e um desrespeito ao Congresso Nacional", disse o deputado Ronaldo Caiado (DEM-GO), um dos seis parlamentares que assinam o mandado representando a FPA.

O governo editou a MP para recompor os 12 vetos feitos ao código florestal. Um dos principais pontos é a fixação de uma "escadinha" para as faixas de recomposição das Áreas de Preservação Permanente (APPs) em beira de rio.

De acordo com o mandado, a Medida Provisória, publicada no dia 28 de maio, descumpre os artigos 62 e 67 da Constituição Federal. "A Lei maior do país proíbe ato provisório sobre tema já tratado em projeto de lei aprovado anteriormente pelo parlamento e pendente de sanção ou veto do presidente da República", defendeu o senador.

Na terça-feira, o Congresso instalou uma comissão mista para analisar a admissibilidade da MP do Código. Foram apresentadas mais de 620 emendas. O grupo é formado maioritariamente por congressistas da bancada ruralista.

A Mesa Diretora do Congresso deve fechar até o início da próxima semana o número final das sugestões de alterações apresentadas por deputados e senadores ao texto. Falam em mais de 700 emendas.

Para o presidente da comissão mista, Bohn Gass (PT-RS), a movimentação dos ruralistas não tem fundamento constitucional. "O artigo 62 da Constituição é claro ao dizer que quando esta resolvida a sanção e o veto é perfeitamente factível a reapresentação da MP. A MP está coberta da constitucionalidade. Temos todas tranquilidade como base do governo."

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.