i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Investigação

Senado pode chamar Cardozo para explicar Operação Porto Seguro

Ministro da Justiça seria convocado para falar sobre esquema de venda de pareceres técnicos

  • PorAgência Estado
  • 25/11/2012 21:15
José Eduardo Cardozo: deve dar esclarecimentos | Antônio Cruz/ABr
José Eduardo Cardozo: deve dar esclarecimentos| Foto: Antônio Cruz/ABr

Tudo começou

Funcionário público delatou esquema à PFDa Redação

A Operação Porto Seguro começou com o arrependimento de um auditor do Tribunal de Contas da União (TCU), segundo relatório da Polícia Federal, informou ontem o jornal Folha de S. Paulo. Cyonil da Cunha Borges de Faria Jr. contou à PF que em 2010 havia recebido uma oferta de R$ 300 mil de Paulo Rodrigues Vieira para fazer um relatório favorável à Tecondi, empresa de contêineres que opera em Santos e que corria o risco de ter o contrato anulado por irregularidades na licitação. Faria Jr. disse à PF que não aceitou a oferta de R$ 300 mil, mas que mesmo assim Vieira entregou-lhe dois pacotes com R$ 50 mil. Arrependido, ele procurou a PF, devolveu o dinheiro e virou delator. Com as informações, a polícia passou a monitorar os telefones de Vieira.

  • Rosemary, ex-chefe de gabinete: indiciada pela PF

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, encabeça a lista de possíveis convocados pelo Senado para prestar esclarecimentos sobre o esquema de uma organização criminosa infiltrada em órgãos públicos revelado pela Operação Porto Seguro, da Polícia Federal. Também fazem parte da relação de eventuais convocados o advogado-geral da União, Luís Inácio Adams, e a ex-chefe de Gabinete da Presidência em São Paulo Rosemary Nóvoa Noronha, demitida no sábado por ordem da presidente Dilma Rousseff. Rosemary e José Weber Holanda Alves, braço direito de Adams na AGU, foram apontados pela PF como participantes do esquema de venda de pareceres técnicos.

Hoje, o senador Pedro Simon (PMDB-RS) irá protocolar na Comissão de Constituição e Justiça pedido para convocar Cardozo. Simon argumenta que o ministro deve detalhar a operação da PF e explicar medidas do governo na área. "O ministro ou outra pessoa que a presidente Dilma Rousseff quiser deve falar sobre as providências que foram tomadas e as mudanças que serão feitas nesse setor", afirmou o senador. A assessoria do Ministério da Justiça destacou que Cardozo só irá ao Congresso se for convocado.

Simon avalia que o escândalo no escritório da Presidência em São Paulo é "grave demais", pois ocorreu na "alma do governo". Ele diz, no entanto, que o Congresso não tem condições no momento de propor uma Comissão Parlamentar de Inquérito para investigar o caso. "Seria muita coragem e cara de pau (do Congresso) pedir CPI depois do vexame da comissão do Cachoeira", disse Simon, referindo-se ao relatório do deputado Odair Cunha (PT-MG), relator da CPI criada para investigar os negócios do contraventor Carlos Augusto Ramos, que pediu o indiciamento de adversários do governo e deixou de fora aliados envolvidos com o bicheiro.

Adeus Supremo

O afastamento do advo­­gado-geral adjunto da União José Weber Holanda Alves por ordem da presidente Dilma Rousseff, no sábado, tornou praticamente nula a possibilidade de Luís Inácio Adams ser escolhido ministro do Supremo Tribunal Federal (STF). No Planalto, está sendo mal visto o fato do advogado-geral da União continuar defendendo Weber das suspeitas apontadas no inquérito da PF. Ele bancou a ida do adjunto para o cargo, mesmo após a Casa Civil vetar o nome dele, por conta de supostas de irregularidades cometidas em cargos anteriores. Servidores da AGU já organizam protesto por moralidade no órgão, marcado para a quinta-feira.

A presidente Dilma Rous­­seff tenta tratar o caso como encerrado para o Planalto, reiterando apenas que a Polícia Federal tem liberdade para agir e que as investigações atingirão quem tiver de atingir. Mas não esconde preocupações sobre o que mais poderá vir à tona, além de temer que a oposição consiga criar uma nova CPI.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.