i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Crime eleitoral

TSE mantém cassação do deputado Carlos Simões

  • PorGazeta do Povo
  • 20/05/2009 13:58

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu manter a cassação do deputado estadual Carlos Simões (PTB) nesta quarta-feira (20). O ministro Arnaldo Versiani negou recurso do deputado contra a decisão do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) que o acusou de crime de abuso do poder econômico e uso irregular de meios de comunicação.

De acordo com o TRE, Carlos Simões teria usado seu escritório político de Curitiba, chamado de "Casa do Povo", localizado na Praça Rui Barbosa, para a distribuição de medicamentos, cadeiras de rodas, dentaduras e muletas em troca de votos para se eleger deputado em 2006. Na época, uma série de reportagens da Gazeta do Povo revelou como funcionava todo o processo, que levou a Polícia Federal (PF) a cumprir mandado de busca e apreensão e recolheu documentos e objetos que seriam doados.

A Casa do Povo era uma espécie de escritório político para atender eleitores e ouvintes dos programas de rádio apresentados pelo deputado estadual Carlos Simões (PTB) e pelo irmão, o ex- deputado federal Íris Simões (PTB). Por determinação do TRE, o local foi lacrado. O tribunal expediu mandado acolhendo um pedido do Ministério Público, em investigação de suposto abuso de poder econômico envolvendo os dois deputados.

Desde 2006, Carlos Simões trava uma disputa judicial para garantir o direito de cumprir seu mandato. Na época, os juízes do TRE condenaram, por unanimidade, o deputado a três anos de inelegibilidade, mas o julgamento não impediu a posse em um novo mandato, que teve início em 2007, porque Simões entrou com recurso junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Na última eleição municipal, Carlos Simões teve mais uma queda de braço com a Justiça. O Ministério Público Eleitoral (MPE) emitiu parecer favorável à sua cassação, mas por outra razão. Ele foi acusado de contrariar a regra da fidelidade partidária. Simões era pré-candidato à prefeitura de Curitiba e estava sendo cotado para ser o vice na chapa do candidato do PMDB, o ex-reitor da UFPR Carlos Moreira. Mas acabou não disputando a eleição.

O parlamentar e o advogado foram procurados pela reportagem da Gazeta do Povo para comentar a cassação, mas não foram localizados.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.