i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Lava Jato

Youssef não vai pedir delação premiada

Antonio Figueiredo Basto, advogado do doleiro, descartou a possibilidade depois de reunir-se com ele na sede da Polícia Federal em Curitiba

  • PorJosé Marcos Lopes
  • 25/08/2014 16:55
Youssef (centro) é acusado por evasão de divisas no valor de US$ 78,2 milhões | Jornal de Londrina/Arquivo
Youssef (centro) é acusado por evasão de divisas no valor de US$ 78,2 milhões| Foto: Jornal de Londrina/Arquivo

Ex-diretores da Petrobras recorrem ao plenário STF para desbloquear bens

O ex-presidente da Petrobras José Sergio Gabrielli e outros ex-diretores da estatal recorreram nesta segunda-feira (25) ao plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) para tentar desbloquear seus bens, bloqueados por decisão do Tribunal de Contas da União (TCU) no processo administrativo que apura prejuízos causados com a compra da Refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos.

Leia mais

Preso na operação Lava-Jato, da Polícia Federal (PF), o doleiro Alberto Youssef não vai pedir os benefícios da delação premiada, segundo informou seu advogado, Antonio Figueiredo Basto, na noite desta segunda-feira (25). Basto esteve reunido com Youssef na sede da Polícia Federal em Curitiba, onde o doleiro está preso há cinco meses.

Basto declarou que Youssef "não tem nada a colaborar com a Justiça" e disse que a estratégia será tentar declarar a nulidade das ações envolvendo Youssef. Ele deverá entrar com três pedidos de habeas corpus na Justiça Federal para pedir a nulidade do processo movido contra o doleiro. Basto deverá argumentar que as gravações telefônicas feitas pela PF foram ilegais; que a Justiça Federal do Paraná não tem competência para julgar o caso, pois o caso investigado diz respeito à Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco; e que o juiz Sérgio Moro não pode julgar o processo em primeira instância.

Na sexta-feira (22), surgiu a informação de que o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa teria aceitado fazer uma delação premiada, mas não houve confirmação por parte do Ministério Público Federal (MPF) nesta segunda-feira.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.