i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
crise política

Yunes pede demissão a Temer depois de ser citado em delação da Odebrecht

Assessor especial do presidente, advogado argumenta que seu nome foi ‘jogado em lamaçal’

    • Agência O Globo
    • 14/12/2016 12:53
    Nome do presidente Michel Temer foi citado em delação de ex-executivo da Odebrecht. | Marcos Corrêa/PR
    Nome do presidente Michel Temer foi citado em delação de ex-executivo da Odebrecht.| Foto: Marcos Corrêa/PR

    O assessor especial da Presidência da República José Yunes pediu demissão do cargo nesta quarta-feira (14).

    Em carta, ele afirmou que a demissão é para preservar sua dignidade.

    Yunes, que é amigo do presidente Michel Temer há 50 anos, foi citado no anexo da delação do ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht Cláudio Melo Filho.

    Marcelo Odebrecht confirma pagamento de R$ 10 milhões a pedido de Temer, diz jornal

    Leia a matéria completa

    “Nos últimos dias, vi meu nome jogado no lamaçal de uma abjeta delação. É fantasiosa a alegação que teria recebido recurso em espécie de doações do PMDB”, disse Yunes na carta.

    Ele lamentou ainda não poder “ajudar o amigo de 50 anos a colocar o país nos trilhos”.

    Melo Filho afirmou, em anexo entregue ao Ministério Público Federal, que o presidente Michel Temer pediu “apoio financeiro” para as campanhas do PMDB em 2014 a Marcelo Odebrecht, que se comprometeu com um pagamento de R$ 10 milhões.

    Todos os nomes e valores na delação de Cláudio Melo Filho, da Odebrecht

    Leia a matéria completa

    O ex-executivo detalha um jantar com Temer no Palácio do Jaburu, no qual estiveram presentes Temer, Marcelo Odebrecht e Padilha. Segundo o delator, Temer solicitou “direta e pessoalmente para Marcelo, apoio financeiro para as campanhas do PMDB no ano de 2014”.

    Uma das entregas teria sido feita no endereço do escritório de advocacia de José Yunes, segundo Melo Filho, o que sugere o pagamento em dinheiro em espécie.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

      Receba Nossas Notícias

      Receba nossas newsletters

      Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

      Receba nossas notícias no celular

      WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

      Comentários [ 0 ]

      O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.