i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Animal

Reabilitação em cachorros ajuda a recuperar lesões de cinomose e obesidade

Tratamento é usado quando problema tem origem neurológica ou ortopédica e tutores devem continuar cuidados também em casa

  • PorVivian Faria, especial para a Gazeta do Povo
  • [16/01/2018] [09:00]
Foto: Letícia Akemi / Gazeta do Povo.
Foto: Letícia Akemi / Gazeta do Povo.| Foto:

O lhasa apso Todt  tinha cinco anos quando teve sua primeira crise de coluna. Inicialmente, o problema foi tratado com medicamentos, que controlaram a situação durante um ano, quando uma nova crise aconteceu. Todt recebeu então novos remédios durante dez dias. “No décimo dia, quando terminou a medicação, ele paralisou. Não podíamos tocar nele, ele gritava de dor”, conta a tutora do animal, a artesã Márcia Simioni Silva.

Todt precisou passar por uma cirurgia de emergência, da qual saiu sem andar e sem o controle do esfíncter. Foi aí, em novembro de 2016, que ele começou a fazer um tratamento de reabilitação com sessões semanais de fisioterapia e acupuntura. Em setembro de 2017, o cachorro voltou a andar e Márcia já nota um avanço em relação à incontinência. “Ele usa uma fralda, porque não controla. Mas estou notando que ele está segurando o xixi. Ele acorda com a fralda seca e só faz xixi quando vai para o piso inferior da casa”, diz.

Hoje, Todt faz sessões quinzenais que envolvem exercícios na água, eletroterapia, outras terapias aplicadas pela fisioterapia, além da acupuntura. No entanto, nem todos os cães que passam pela reabilitação seguem o mesmo tratamento. Associar os dois não é uma regra. Normalmente é indicado em casos mais graves. Para saber, costuma-se fazer uma avaliação inicial, que é ortopédica, neurológica e de escore corporal.

Foto: Letícia Akemi / Gazeta do Povo.
Foto: Letícia Akemi / Gazeta do Povo.

Quando é indicada?

A reabilitação tem por objetivo tratar ou prevenir lesões locomotoras, que podem ter duas origens principais: ortopédica e neurológica. Entre as condições ortopédicas estão a displasia coxofemural (alteração no desenvolvimento da articulação do quadril), artrose, ruptura do ligamento cruzado cranial, luxação de patela e tendinite.

No âmbito das lesões neurológicas, as principais são a hérnia de disco e a cinomose. A hérnia foi o que levou Todt à cirurgia e, posteriormente, à reabilitação. Ela ocorre quando o disco intervertebral desidrata e enrijece, comprimindo a medula, provocando dor e afetando funções neurais como controle de esfíncter ou a sensibilidade nos membros. A cinomose é uma doença viral que ataca diversas partes do organismo do animal, principalmente de filhotes, levando-os à paralisia e à morte. Foi por causa dela que Ralph, da a tutora Josara  Bertoldi Almeida, ficou paralisado com poucos meses de vida e, quando ele foi encontrado na chácara de Josara, a impressão que se tinha é de que o animal estava morto. “Eu já tinha sacrificado um poodle muitos anos antes por causa da cinomose. A recomendação geralmente é de sacrificar. Mas quando levei ele para a reabilitação, me disseram que ele voltaria a andar. Em seis meses, eles foi melhorando dia a dia e hoje ele está bem”, conta Josara.

Foto: Letícia Akemi / Gazeta do Povo.
Foto: Letícia Akemi / Gazeta do Povo.

Diagnóstico

1. Inicialmente a avaliação é clínica, pois há doenças e condições, como uma luxação de patela, que podem ser detectadas pelo médico veterinário durante a primeira consulta.

2. Se o profissional detectar a necessidade, exames complementares, geralmente de imagem, serão solicitados.

3. A partir dos resultados e do diagnóstico, é possível desenhar um plano de reabilitação.

4. Mesmo que um problema seja detectado na avaliação ortopédica, os aspectos neurológicos serão analisados para garantir que não há nenhum outro tipo de problema associado. Isso vale também para o escore corporal, que tem por objetivo verificar se o animal está dentro do peso ideal e se a saúde dele — inclusive a necessidade de reabilitação — não está ligada a um excesso de peso.

15% a 30% a mais de peso em um animal é considerado obesidade.

Até 15% é sobrepeso e acima de 30% é obesidade mórbida. Se um beagle que deveria pesar 10 kg pesa 11,7 kg, ele já está obeso.

Obesidade

Outro problema tratado pela reabilitação é a obesidade. Quando o animal está acima do peso, ele está predisposto a lesões ortopédicas e neurológicas. Nesse caso, o tratamento é feito aliando atividades físicas a uma dieta mais regulada. O peso do cachorro é um sétimo do dos seres humanos, então quando ele come uma banana é como se um adulto comesse sete. Assim os bichos engordam.

Em geral, a reabilitação para obesidade dura em torno de três meses, mas isso depende do quantidade de quilos que o animal precisa emagrecer. Cachorros devem perder entre 1% e 2% do peso corporal por semana, e gatos, de meio a um porcento para que não haja o efeito rebote.

Em casa

Apesar de o processo de reabilitação depender muito do trabalho feito pelos profissionais, os tutores também precisam “aderir ao tratamento” para que os resultados sejam bons. É preciso fazer cinesioterapia sob orientação veterinária. Se o cachorro fica imóvel em casa, ele não vai fazer a lubrificação das articulações e pode ter uma artrose, por exemplo.

Como é o Tratamento

A reabilitação começa com um plano inicial de tratamento, que tende a ser mais intensivo, com uma, duas e até três sessões por semana. A duração desse primeiro momento depende do diagnóstico, do estado em que o animal se encontra e de fatores como a idade. Quanto mais idoso o paciente, em geral mais sessões são necessárias.

Na fisioterapia, o animal vai fazer exercícios tanto dentro quanto fora d’água. A hidroterapia geralmente envolve caminhadas em uma esteira que fica dentro de uma mini-piscina. Fora dela, há atividades com tábua de equilíbrio, bolas e cones, além de terapias que utilizam equipamentos diversos. Um deles é o ultrassom terapêutico, que utiliza ondas sonoras para redução da dor. Outras técnicas são a laserterapia, que age diretamente nas mitocôndrias e acelera o processo de recuperação da lesão, a magnetoterapia, que normaliza os íons dentro e fora das células para diminuir inflamações e os radicais livres, e a eletroterapia, que também auxilia na diminuição da dor.

Na acupuntura, que tem base na medicina oriental e trabalha com o fluxo de energia do corpo, os pontos dos meridianos energéticos são estimulados com a ajuda de agulhas, calor ou laser. A acupuntura acarreta um efeito mais duradouro. Além disso, os animais relaxam bastante, tem muitos que dormem.

Esse seria o tratamento “básico”, embora alguns animais precisem só de uma ou de outra terapia. Se houver necessidade, outras técnicas podem ser associadas, como homeopatia, ozonioterapia, terapia com células tronco e terapia por ondas de choque (semelhante ao procedimento que elimina pedras no rim, mas com intensidade para estimular a recuperação de tecidos). Para fazer esses atendimentos, profissionais especializados em cada um deles são chamados até a clínica. Assim, o trabalho tem uma unidade.

Fonte: Mhayara Reusing, médica veterinária especialista em fisiatria veterinária e responsável pelo tratamento de Todt no Instituto de Reabilitação Animal (IRA).

LEIA TAMBÉM:

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]
Tudo sobre:

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.