Patrocínio

Hospital Pilar X-Leme Diagnóstico Por Imagem Mantis Diagnósticos Avançados

Tutores nervosos, cães ansiosos: saiba a relação do comportamento do pet e do tutor

Especialista explica que a perda de hábitos como guarda ou trabalho está mudando para pior a conduta dos cachorros

O comportamento destrutivo de alguns cães pode ser reflexo dos hábitos dos tutores em casa. Foto: arquivo Viver Bem/Gazeta do Povo.

Um cachorro que “grunhe” demais, saliva em excesso, tem tremedeiras ou destrói coisas, entre outros comportamentos, pode estar sofrendo de ansiosidade ou estresse. E isso provavelmente é um reflexo da mudança de hábitos entre tutores e animais, acredita o especialista em treinamento de cães Rafael Wineski, adestrador do Meu Cão Companheiro, que ensina a entender melhor o comportamento dos pets.

>> Número de cães border collie abandonados preocupa tutores em Curitiba

E o comportamento ansioso ou estressado não é algo incomum: se há centenas de anos os cães foram domesticados pelo homem para fazer a guarda da casa ou o trabalho nos campos, hoje em dia eles se tornaram um companheiro que vem perdendo seus hábitos originais.

“O que vemos é que os cães não cumprem com as funcionalidades que sempre tiveram. Nós os tiramos do canto do quintal e o trouxemos para o quarto de dormir”, explica o adestrador ressaltando que é como se o cachorro fosse uma mão de obra ociosa.

Rafael conta que os tutores muitas vezes não entendem isso: acham que a ansiedade do cão é só uma questão comportamental do animal. Quando, na verdade, o desencadeador de ansiedade muitas vezes acaba sendo o próprio dono. “As pessoas deixam animais 10, 12 horas sozinhos em casa, o que pode gerar um estresse no animal. Muitos cães destroem coisas, vocalizam grunhindo ou latindo demais, fazem necessidades fora do lugar. É um comportamento causado muitas vezes pelos próprios tutores, como a falta de rotina por exemplo”, exemplifica.

O que fazer

Rafael Wineski, que trabalha com adestramento canino há mais de 13 anos, conta que os hábitos dos tutores podem influenciar muito no comportamento dos cães. Foto: reprodução/Facebook.

Primeiro é preciso identificar o que pode estar causando a ansiedade. A escolha da raça e onde o animal irá morar são itens que precisam ser levados em consideração. Raças que têm um passado de trabalho (como os border collies), por exemplo, não podem viver  sem espaço para gastarem energia.

Passear frequentemente com o animal é um hábito obrigatório. “Não só com intensidade de caminhada, mas deixando-o explorar o ambiente”, explica o adestrador. Outra forma é incentivar comportamentos baseados muito mais em raciocínio do que emocional. Rafael conta que afagar demais o cão, com muitos carinhos, pode acabar influenciando negativamente os hábitos do animal.

>> O certo e o errado na hora de passear com o cachorro

E um dos itens mais importantes é lembrar o cão dos hábitos ancestrais dele, como a caça por exemplo. “Uma alternativa é ofertar coisas que ele possa destrinchar, como brinquedos recheáveis com comida em que ele tenha um comportamento que é natural dele”, completa o adestrador. Isso faz com que o organismo do animal libere menos cortisol, que é o hormônio do estresse, já que ele resgata algumas das suas funcionalidades.

Poodles

Popularidade da raça poodle está em queda: na última década, procura  diminuiu 76%. Foto: Pixabay.

Outros cães que costumam ser considerados “estressados” são os poodles: uma reclamação comum dos tutores é a de que ele fica “nervoso”com outras pessoas (como visitas, por exemplo) — hábito que pode ser justificado muitas vezes com um apego excessivo ao tutor.

Segundo Rafael, o comportamento pode ser trabalhado com adestramento mas, assim como no caso de outras raças, é preciso analisar se o tutor está realizando corretamente ações no dia a dia para que o cão se distraia e gaste energia.

Apesar da queda na popularidade da raça ( só na última década, a procura teve uma redução de 76% ,de acordo com dados da Confederação Brasileira Cinofilia, órgão que expede os registros e também certifica os criadouros), poodles têm excelentes características, segundo Rafael: ele aprende com muita facilidade tanto o que é para fazer como o que os tutores geralmente não querem que ele faça.

No domingo, 10 o Hiperzoo realiza, das 10h às 17h, um encontro para cachorros da raça poodle, com piscina de bolinhas e espaço para brincadeiras. A participação é gratuita.

LEIA TAMBÉM:

8 recomendações para você

Deixe seu comentário