PUBLICIDADE

Animal

Fazer xixi no lugar errado é “culpa” do olfato do bicho?

Adestrador diz que estabelecer uma marca tátil também pode ajudar, e muito!, na hora do animal acertar o alvo

Quando o bicho de estimação faz xixi fora do lugar, esse comportamento está mais relacionado a qual sentido do animal? Para quem pensa em “olfato”, Rafael Wisneski, adestrador especializado em manejo comportamental de cães e gatos, faz questão de desmontar este mito. “Na verdade, o estímulo tátil pode ter uma importância maior nesse processo, se funcionar como um reforço positivo secundário, ou seja, quando se ao tocar em um tipo de piso determinado, como tapetes higiênicos, por exemplo, isso disparasse um “gatilho” na cabeça do animal de que aquele é o lugar e a hora para se aliviar”, diz ele. Estar presente ao lado do animal quando ele acerta o alvo e oferecer um petisco são duas recompensas (ou reforços positivos) extras que o animal percebe e interioriza.

Rafael, que é sócio da Petness, e Diego Clairton de Oliveira, responsável pela área comercial da Casa do Produtor, estiveram no primeiro Papo Pet, promovido pelo Viver Bem e patrocinado pela Casa do Produtor, na última quarta-feira (14), no espaço A Fábrika, no Alto da XV.

Xixi fora do lugar, aliás, é a maior dor de cabeça que o responsável pela área comercial da Casa do Produtor, Diego Clairton de Oliveira, costuma observar entre os clientes do pet shop, que tem mais de 20 anos de atuação em Curitiba. “Hoje há uma gama enorme de produtos para educar o bichinho, você tem desde os sprays com produtos atrativos, que ajudam a guiar o animal até o local correto, quanto aqueles que são mais repulsivos, que demarcam as áreas em que o animal não deve usar”, diz ele.

LEIA TAMBÉM

Meu bicho comeu algo que não devia

A ração certa para o pet

Dicas para dar banho em casa

As novidades da indústria para essa área de adestramento não param por aí. Há bolas de basquete com alças, para que animais grandes e brincalhões, como labradores e goldens retrieveres não destruam o brinquedo toda vez que se empolguem, além de bolas vazadas que podem armazenar ração e que, conforme a brincadeira avança, solta as rações aos poucos, tornando a refeição mais ativa e com objetivo para cães do tipo trabalhador.

Conhecer bem o animal é parte fundamental para entender como agir em casos de “problemas” de comportamento, “e apenas a ponta do iceberg de causas possíveis que envolvem a complexidade de determinado comportamento”, diz Wisneski.

Ambos os profissionais estiveram falando sobre “boas maneiras” animais no primeiro Papo Pet, promovido pelo Viver Bem, com o patrocínio da Casa do Produtor, na última quarta-feira (14), no espaço A Fábrika, no Alto da XV. Veja algumas fotos do evento:

Diego Clairton de Oliveira, responsável pela área comercial da Casa do Produtor, e Rafael Wisneski estiveram no Papo Pet.

Diego Clairton de Oliveira, responsável pela área comercial da Casa do Produtor, e Rafael Wisneski estiveram no Papo Pet. Fotos: Pedro Serápio/Gazeta do Povo.

Papo Pet

Rafael Wisneski, da Petness, fala durante o Papo Pet.

Papo Pet

Diego Clairton de Oliveira, responsável pela área comercial da Casa do Produtor, mostrou novidades na área de adestramento.

Papo Pet

Diego Clairton de Oliveira, responsável pela área comercial da Casa do Produtor, e Rafael Wisneski estiveram no Papo Pet. Ao lado direito, o editor do Viver Bem, Adriano Justino.

    Diego Clairton de Oliveira, responsável pela área comercial da Casa do Produtor, e Rafael Wisneski estiveram no Papo Pet.

Diego Clairton de Oliveira, responsável pela área comercial da Casa do Produtor, e Rafael Wisneski estiveram no Papo Pet.

PUBLICIDADE