i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Animal

Tutoras contam por que você deveria considerar adotar um cão idoso

Apesar da idade, cães se adaptam tranquilamente às rotinas da casa e são pacatos. Por outro lado, eles apresentam mais problemas de saúde

  • PorVivian Faria, especial para a Gazeta do Povo
  • 02/09/2017 05:00
(Foto: Bigstock)
(Foto: Bigstock)| Foto:

Dog Velho é o vira-lata que a analista de materiais Amanda Canton resgatou na porta de um shopping da cidade há um ano. Além de abandonado, ele estava bastante mal-tratado e sofrendo ao ponto de não querer que humanos se aproximassem dele. “Como estava com muita dor, ele avançava nas pessoas. Então os bombeiros civis do shopping me ajudaram a resgatá-lo e dali fomos direto para o veterinário”, relembra Amanda.

Depois de cuidar do animal e descobrir que ele tinha cerca de 13 anos, Amanda decidiu ficar com ele, em vez de colocá-lo para adoção. “Eu gosto muito de animais e já resgatei vários cachorros. Só não tenho mais porque não tenho espaço. Mas também achei difícil imaginar alguém disposto a cuidar de um cachorro tão velhinho”, conta.

Dog Velho estava tão machucado quando Amanda o encontrou que demorou mais de um mês para confiar nela | Foto: Arquivo pessoal
Dog Velho estava tão machucado quando Amanda o encontrou que demorou mais de um mês para confiar nela | Foto: Arquivo pessoal

A empresária Taíza Lombardi viu esse tipo de rejeição acontecer na prática, enquanto procurava um cão para adotar. “Eu estava vendo fotos no Facebook e cheguei na foto de um golden retriever que tinha mil curtidas. Em seguida, tinha a foto de um cachorro mais velho, sem raça definida, que não tinha nenhuma”, conta. Foi por ele que Taíza se interessou e, ao visitá-lo, foi paixão ao primeiro encontro. Uma visita ao veterinário revelou que o animal, batizado de Nug, tinha em torno de dez anos.

Amanda e Taíza não pretendiam se tornar tutoras de cachorros idosos, mas não se arrependeram nem um pouco da decisão. “Não tem recompensa maior. Eles são muito gratos, olham para você com carinho”, avalia Amanda. “Todo cachorrinho adotado desenvolve um laço muito forte com os tutores, mas o idoso é como se ele entregasse a vidinha dele na sua mão”, completa Taíza.

Foto: Arquivo pessoal
Foto: Arquivo pessoal

De acordo com a médica veterinária da Clínica Veterinária Nossa Senhora da Luz Simone Gonçalves da Silva, a resistência à adoção de animais idosos se dá, muitas vezes, porque as pessoas acreditam que eles não conseguirão se adaptar. “Isso não existe, eles se adaptam muito bem. O filhote acaba sendo mais difícil, porque você tem que educar”, explica.

Ela diz ainda que o cachorros idosos já têm um temperamento estabelecido e tendem a ser mais pacatos, adaptando-se mais facilmente dentro de casa. Taíza, que acabou adotando outro idosinho (Elvis, de 13 anos) há cerca de um ano, depois da morte de Nug concorda: “Eles não são extremamente atléticos, digamos. Sabem que eu trabalho o dia inteiro e sou sossegada, e são companheiros para isso”.

Para Simone, os cães idosos são as companhias ideias para idosos, que em geral tem um ritmo de vida menos acelerado e para quem gosta de ficar em casa.

Saúde

Apesar de todas as vantagens de adotar um cão idoso, quem pretende fazê-lo precisa estar ciente de que, assim como humanos, eles são mais propensos a desenvolver doenças na velhice. “Eles podem ter doenças articulares, diabetes e outras doenças”, enumera Simone.

Dog Velho, por exemplo, já está cego e surdo, e tem um tumor na pata que não pode ser removido cirurgicamente. Para aliviar a dor, precisa de antiinflamatórios diariamente. Já Elvis, o cachorro adotado por Taíza no ano passado, toma remédios para o coração e para os músculos. “Ontem mesmo tive que correr com ele para o veterinário, porque a coluna dele travou”, conta a empresária.

Esses cuidados demandam paciência, tempo e dinheiro, o que deve ser considerado pelos tutores na hora da escolha do cachorro para adoção. “Essa é a parte ‘ruim’, digamos. Você tem que investir um pouco para ter certeza que o animal está são ou que ele tem o tratamento adequado”, diz Simone.

A veterinária orienta que os tutores que adotaram cães idosos levem os animais para um check-up, além de castrá-los caso eles ainda não sejam castrados, já que a cirurgia ajuda a prevenir doenças como o câncer de próstata nos machos e a infecção uterina nas fêmeas.

LEIA TAMBÉM:

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.