Patrocínio

Hospital Pilar X-Leme Diagnóstico Por Imagem Mantis Diagnósticos Avançados

Como lidar com o medo dos cachorros de raios, chuvas e trovoadas

Tratamento vai desde mudar o foco de atenção do cachorro até uso de florais em casos mais graves

Medo de trovão em cachorros pode ser superado com ajuda de especialistas. Veja dicas. Foto: Pixabay

Assim como os fogos de artifício de fim de ano, os períodos chuvosos e com muitas trovoadas também costumam assustar os pets — e muitos tutores, na tentativa de acalmar os animais, acabam gerando ainda mais ansiedade.

Antes de tudo é importante lembrar que o medo é uma reação normal, que o pet entende como uma proteção contra o perigo. A médica veterinária Daniele Graziani, especialista em comportamento canino, explica que, quando o cão fica assustado, o sistema autônomo se preparara para reagir — seja fugindo ou lutando.  “As consequências que conseguimos observar desse comportamento no cão são: hipervigilância, taquicardia, agressividade, tremores, salivação, vômito, diarreia, micção, comportamento de se esconder ou fugir, o que pode levar a acidentes”, observa.

>>Tem um cachorro fofo? Inscreve ele no site do concurso Cachorro do Ano!

Para alguns cães, o barulho intenso das trovoadas afeta o conduto auditivo, alerta a médica veterinária Jesimara Rasera — nos cachorros, essa região é muito mais sensível que no ser humano. “Nesses casos, muitos pets conseguem diminuir essa ansiedade, fobia, com tratamentos florais, homeopáticos, deixando eles em ambientes mais calmos, com música ou televisão ligada, por exemplo. Contudo, caso nada disso tenha um resultado efetivo, é necessário levar o animalzinho para um atendimento com profissional da área comportamental, para tentar identificar exatamente o problema”.

Torne o ruído comum

Conduto auditivo dos cães é mais sensível. Por isso, eles são mais afetados por barulhos como trovões e fogos de artifício. Foto: Pixabay

Gravar o barulho de trovões, por exemplo, é outra dica que o adestrador Felipe Ribeiro indica. “Quando o cachorro está comendo, aumentar o volume no som do trovão ou dar petiscos nessa hora para que ele consiga identificar que o barulho pode ser algo vantajoso. Além disso, locais sem janelas por perto são importantes para esse tratamento”.

Passo a passo

A especialista em comportamento canino Daniele Graziani listou seis ações para diminuir o medo de trovões em seu cachorro:

1- Deixe o pet em um lugar seguro

Dê preferência, escolha um local fechado e com cortinas, que ajude a diminuir a intensidade dos sons, e o clarão. O local deve ser a prova de fuga também (muitos fogem e acabam sendo atropelados, ou simplesmente se perdem nas ruas). Cuide com os objetos do espaço, para que não haja riscos de acidentes.

2 – Ligue uma música ambiente

Utilize canções para mascarar o som dos trovões — há estudos que mostram que o  rap é efetivo para esse fim. Outra forma de abafar os sons é o ruído do ventilador.

3 – Proponha uma atividade ao pet

Uma boa forma de ensiná-los a lidar com o medo é apresentando algo lúdico durante os episódios de chuva forte. Isso libera substâncias e hormônios que ajudam o pet a relaxar. Oferece um brinquedo como o Kong Classic ou o Monstrinho da Pet Games, recheado com algo que eles amem.  Pode ser uma ótima distração.

Brinquedo Kong Classic é uma ótima dica para manter os pets mais focados nos momentos de fobia. Foto: Divulgação

4 – Use florais

Existem florais que podem auxiliar. Para essa situação pode-se pedir para manipular em uma farmácia homeopática o floral “rescue”, sem álcool. Esse floral possui algumas essências recomendadas para situações de estresse intenso. Durante a chuva pode ser dado diretamente na boca cerca de 2 gotinhas a cada 10 minutos. Não há risco de superdosagem.

5 – Previna fugas

Cachorros com fobia devem sempre estar em locais seguros e com local a prova e fuga. Foto: Pixabay

Às vezes acreditamos que nosso pet está em um local seguro, mas, às vezes, ele consegue fugir e acaba se perdendo. Por isso, se previna e deixe medidas de segurança, como a microchipagem e a plaquinha de identificação, em dia. O microchip deve ser aplicado por um médico veterinário (sua colocação é semelhante a tomar uma vacina). A plaquinha vai presa na coleira do cão e deve conter o nome do pet e telefones dos tutores gravados para contato.

6 – Busque um profissional se o medo for intenso

Para episódios mais severos, medicações e técnicas terapêuticas apropriadas podem ser necessárias. Nesses casos, o médico veterinário comportamentalista é o melhor profissional para avaliar e tratar a fobia. O tratamento também pode ser realizado em conjunto com um adestrador capacitado.

O importante é ficar atento aos sinais que seu cachorro está dando e tentar ajudá-lo. Caso não consiga, sempre levar ao especialista.

Concurso Cachorro do Ano

Já inscreveu o seu pet no concurso Cachorro do Ano da Gazeta do Povo? As inscrições para eleger o cão mais fofo de Curitiba seguem até 14 de outubro. Para participar é simples: é só cadastrar  os dados pelo site, enviar uma foto do pet e torcer! Cada tutor pode inscrever até três cães.  A 1ª votação popular vai de 17 a 31 de outubro, e a 2ª, com os 20 mais votados, de 5 a 18 de novembro. O resultado sai no dia 1º de dezembro e o campeão vai estrelar a capa da Revista Viver Bem Animal.

LEIA TAMBÉM:

8 recomendações para você

Deixe seu comentário