Patrocínio

Hospital Pilar X-Leme Diagnóstico Por Imagem Mantis Diagnósticos Avançados

Sem pulgas, mas com muita coceira

“ Elas não têm pulgas, então porque coçam?” A questão desta edição foi enviada pela internauta Monique Garcya e respondida por médicos veterinários

A internauta Monique Garcya já trocou diversas vezes de xampu, mas suas cachorrinhas continuam se coçando muito. Elas não têm pulga nem carrapato. A leitora pergunta: “Isso pode ser alergia a xampus ou a picadas de insetos, como mosquitos e formigas?”

Segundo o professor de dermatologia veterinária da Pontifícia Uni­­­versidade Católica do Paraná (PUC-PR) e coordenador da Uni­da­de Hos­pi­­talar de Animais de Com

­panhia da instituição, Marconi Rodrigues de Farias, a alergia é a principal causa de coceiras em cachorros. E atinge, principalmente, cães que têm a pele mais fina e permeável, como o poodle, lhasa apso, yorkshire, maltês e schnauzer.

Isso acontece porque a pele desses animais é mais pobre em gordura, o que faz com que existam uma quantidade maior de espaços vazios entre as células, expondo mais os nervos.

A coceira pode ser fruto de vários fatores, mas, de acordo com Farias, a alergia tem explicação genética: o cachorro já nasce com predisposição a desenvolver hipersensibilidade, que pode ser a alimentos, saliva de artrópodes (pulga e carrapato), fungos e bactérias.

Mas a alergia também pode ser resultante de uma dermatite de contato irritante: o bichinho é sensível a substâncias como xampus, perfumes, talcos e até a produtos de limpeza utilizados para higienizar o chão de casa. “Qualquer coisa pode causar alergia no animal. É necessário que o médico veterinário examine, para constatar qual substância está irritando a pele”, afirma Farias.

Para descobrir o que provoca alergias no cachorro, é necessário um teste parecido ao realizado com humanos. “O médico veterinário colhe o sangue do cachorro e o distribui em vários tubos de ensaio. Cada um deles contém uma substância diferente a qual o animal é exposto cotidianamente. Se a substância do tubo se conectar ao anticorpo imunoglobulina IgE (presente no sangue), significa que ele é alérgico àquela substância”, explica o professor de doenças infecciosas dos animais domésticos da Universidade Federal do Paraná (UFPR), José Francisco Warth. “Em cachorros alérgicos, a quantidade desse anticorpo é elevada, provocando uma superproteção.”

Mas, antes de testar qualquer produto para o tratamento da coceira, é necessário levar o bichinho ao médico, como explica o especialista em dermatologia veterinária e delegado do Conselho Regional de Medicina Veterinária (CRMV-PR), Wagner Luiz Bueno. “É preciso ter um diagnóstico preciso, porque o método de ‘tentativa-e-erro’ pode agravar os sintomas”, afirma. A alergia pode ser detectada por alguns sinais, como vermelhidão, calor, dor e coceira. “Se ainda não foi descoberta a causa da alergia, procure dar banho no cachorro com produtos hipoalergênicos ou indicado, para crianças, que são neutros. Também evite limpar o chão de casa com produtos que contenham substâncias cáusticas, como o hipoclorito (usado na água sanitária)”, explica Bueno.

Para evitar a coceira causada pela diminuição de gordura na pele, chamada de prurido asteatósico, Marconi Rodrigues de Farias recomenda que os banhos sejam dados uma vez a cada 10 ou 15 dias, com produtos mais neutros e água morna. Perfumes e talcos devem ser evitados, assim como o uso do secador muito quente.

* * * * * * *

Interatividade

Você também pode participar do caderno Animal. Envie suas dúvidas e sugestões para cadernoanimal@gazetadopovo.com.br

8 recomendações para você

Deixe seu comentário