Patrocínio

Hospital Pilar X-Leme Diagnóstico Por Imagem Mantis Diagnósticos Avançados

Só castigo não adianta; saiba como ensinar o cachorro a fazer a coisa certa

Observar como o cachorro reage a cada estímulo e respeitar a sensibilidade dele são as principais dicas na hora de ensinar um comando

Especialistas explicam qual a melhor forma para ensinar os pets sem traumatizar. Foto: Bigstock

Ensinar seu pet requer paciência e pode ser um desafio para o tutor para que isso não traumatize o cachorro. Leandro Alves, da empresa de adestramento Cão Cidadão, explica que conhecer o cachorro, observar como ele reage a cada estímulo e respeitar a sensibilidade dele são as principais dicas na hora de ensinar um comando para o cachorro. “Quando algo não sai conforme o desejado e o tutor resolve aplicar um castigo, é importante entender que funcionam, mas quando utilizados, devem respeitar a integridade física e mental do cão”, alerta Leandro.

>>Inscreva seu pet no concurso que vai eleger o cão mais fofo de Curitiba e RMC!

Paciência e conhecimento do seu cachorro devem ser primordiais na hora de ensinar. Foto: Pixabay

Daniele Graziani, médica veterinária comportamental, esclarece que o adestramento com reforço positivo, que é utilizado focando a perda de algo desejado diante de um comportamento indesejado, deve sempre estar aliada a ação do que seu cão deve fazer. Dani explica: “se o cão pula buscando atenção e esse comportamento não é desejado, a atenção não deve ser dada, ou seja, a pessoa deve se afastar do cão. Por outro lado, apenas isso não faz o cão entender qual comportamento realizar para receber o que deseja.

Logo,  é preciso também ensinar um comportamento alternativo, como o “senta”, por exemplo, e oferecer atenção sempre que o cão cumprimentar dessa forma e não oferecer atenção ao comportamento indesejado (quando cão pula, nesse caso).

Ensinar sem traumatizar é basicamente estimular os comportamentos que desejamos e desestimular, sem punir, apenas não oferecendo beneficio algum para aquele comportamento”, esclarece Daniele.

Traumas, como lidar

Cachorros adotados podem ter traumas que precisam de especialistas para amenizar. Foto: Pixabay

Para o adestrador Leandro Alves, os traumas devem ser lidados de forma gradativa, aumentando o estímulo aos poucos, e tentando criar uma associação positiva com aquilo que incomoda o cão. “Um caso bem comum que vejo é com relação ao aspirador. Já adestrei cães que atacavam o aparelho mesmo com ele desligado. Assim que o fizemos entender que não precisava temer o aspirador, pudemos passar para o próximo passo, ligar o aparelho e trabalhar o estímulo em um nível mais alto”, comenta Leandro.

Já Daniele Graziani lembra que há os cães que são adotados e já vem com traumas. “Memórias traumáticas são gravadas com muita ênfase no cérebro, pois se trata de um mecanismo de sobrevivência, logo extingui-la é o trabalho dos especialistas em comportamento canino”, além disso, a especialista comenta que a capacidade de resiliência canina é individual e deve ser levada em conta. Nesses casos, o importante é levar os pets o quanto antes para tratamento.

Concurso Cachorro do Ano Gazeta do Povo 2018

Inscrições até 14 de outubro

1ª votação popular de 17 a 31 de outubro

2ª votação popular (os 20 cachorros mais votados) de 05 a 18 de novembro

Resultado final: 01 de dezembro

Inscrições pelo site.

LEIA TAMBÉM

8 recomendações para você

Deixe seu comentário